Página acima: Cérebro
Glândula pineal - Epífise

--

Epífise (glândula pineal)

[68 - página 275]

 

        No relato do Espírito André Luiz, através da psicografia de Chico_Xavier ocorrida em 1943, no livro Missionários da Luz (1), o orientador Alexandre faz as seguintes considerações: "... analisemos a epífise como glândula da vida espiritual do homem. Segregando energias psíquicas, a glândula pineal conserva ascendência em todo o sistema_endócrino. Ligada à mente, através de princípios eletromagnéticos do campo_vital, que a ciência comum ainda não pode identificar, comanda as forças_subconscientes sob a determinação direta da vontade. As redes nervosas constituem-lhe os fios telegráficos para ordens imediatas a todos os departamentos celulares, e sob sua direção efetuam-se os suprimentos de energias psíquicas a todos os armazéns autônomos dos órgãos...".


        O Dr. Sérgio Felipe de Oliveira, médico, pesquisador do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo, em seu estudo sobre a pineal
(2), chegou à seguinte conclusão: "A pineal é um sensor capaz de 'ver'_o_mundo_espiritual e de coligá-lo com a estrutura biológica. É uma glândula, portanto, que 'vive' o dualismo espírito-matéria. O cérebro capta o magnetismo externo através da glândula pineal".

http://geal-ba.blogspot.com/2007/06/pineal-glndula-da-vida-espiritual-do_09.html


        A ciência médica avança nos estudos acerca do funcionamento da epífise, mas há muito que pesquisar sobre esta minúscula glândula localizada no centro do encéfalo. Acredito que as visões da EQM, bem como as transformações ocorridas com os experientes têm a participação direta da glândula pineal que, nas manifestações da EQM, tem ascendência sobre o lobo_temporal e sistema_límbico. É interessante ressaltar que alguns pesquisadores encontraram sobreviventes de EQM cujos enredos, do outro lado, envolveram uma retrospectiva de vidas passadas. Muitos desses sobreviventes passam a aceitar a reencarnação como um fato normal da vida.

http://www.amebrasil.org.br/portugues/artigosj.htm  

(Artigo: Espírito e EQM)


BIBLIOGRAFIA:
(1) XAVIER, Francisco Cândido (pelo Espírito André Luiz). Missionários da Luz. 30ª edição. FEB, 1998.
(2) OLIVEIRA, Sérgio Felipe de. Glândula Pineal: Ciência e Mito. Boletim Médico-Espírita 11. AME-SP, 1997.

        Em torno do 4º e 5º mês de vida intra-uterina a glândula Pineal já apresenta células e tecido de sustentação, alcançando 2mm de diâmetro. Durante este período, via de regra o espírito reencarnante começa a perder a consciência atingindo rapidamente a total inconsciência. Na pineal é que as expansões energéticas do psicossoma prendem-se mais profundamente, sendo por isto chamada "a glândula da vida espiritual" pelos palingenesistas (reencarnacionistas).
        À medida que o desenvolvimento da Pineal se processa cada vez mais se acentua a união com as energias espirituais que impulsionam todo o desenvolvimento fetal modelado pelas matrizes perispirituais. 
        As modificações que ocorrem na glândula pineal são observáveis até os dois anos de idade. Daí até 6 ou 7 anos, as transformações são muito lentas. É exatamente neste período entre_6_ou_7_anos que a Reencarnação poderia ser considerada como definitiva pois o espírito passa a ter fixação completa ao organismo biológico e principalmente à Pineal.

Ricardo Di Bernardi
Livro: GESTAÇÃO SUBLIME INTERCÂMBIO

http://seareirosdejesus.com.br/cms/index.php?option=com_content&task=view&id=94&Itemid=33

        

Relato do espírito André Luiz

 

        "Enquanto o nosso companheiro se aproveitava da organização_mediúnica, vali-me das forças magnéticas que o instrutor me fornecera, para fixar a máxima atenção no médium. Quanto mais lhe notava as singularidades do cérebro, mais admirava a luz crescente que a epífise deixava perceber. A glândula minúscula transformara-se em núcleo radiante e, em derredor, seus raios formavam um lótus de pétalas sublimes.

        Examinei atentamente os demais encarnados. Em todos eles, a glândula apresentava notas de luminosidade, mas em nenhum brilhava como no intermediário em serviço.

        Sobre o núcleo, semelhante agora a flor resplandecente, caía luzes suaves, de Mais Alto, reconhecendo eu que ali se encontravam em jogo de vibrações delicadíssimas, imperceptíveis para mim.

        Estudara a função da epífise nos meus apagados serviços de médico terrestre. 

  1. Segundo os orientadores clássicos, circunscreviam-se suas atribuições ao controle sexual no período infantil. 

  2. Não passava de velador dos instintos, até que as rodas da experiência sexual pudessem deslizar com regularidade, pelos caminhos da vida humana. 

  3. Depois, decrescia em força, relaxava-se, quase desaparecia, para que as glândulas genitais a sucedessem no campo da energia plena.  

        Minhas observações, ali, entretanto, contrastavam com as definições dos círculos oficiais.

        Como o recurso de quem ignora é esperar pelo conhecimento alheio, aguardei Alexandre (o instrutor) para elucidar-me, findo o serviço ativo.

        — Conheço-lhe a perplexidade — falou o instrutor. — Também passei pela mesma surpresa, noutro tempo. A epífise é agora uma revelação para você.

        — Não se trata de órgão morto, segundo velhas suposições — prosseguiu ele. — É a glândula da vida mental

  • Ela acorda no organismo do homem, na puberdade, as forças criadoras e, em seguida, continua a funcionar, como o mais avançado laboratório de elementos_psíquicos da criatura terrestre. 

  • O neurologista comum não a conhece bem. 

  • O psiquiatra devassar-lhe-á, mais tarde, os segredos.

  • Os psicólogos vulgares ignoram-na. 

  • Freud interpretou-lhe o desvio, quando exagerou a influenciação da “libido”, no estudo da indisciplina congênita da Humanidade. 

  • Enquanto no período do desenvolvimento_infantil, fase de reajustamento desse centro importante do corpo_perispiritual preexistente, a epífise parece constituir o freio às manifestações do sexo; entretanto, há que retificar observações.

        Aos quatorze anos, aproximadamente, de posição estacionária, quanto às suas atribuições essenciais, recomeça a funcionar no homem reencarnado. 

  • O que representava controle é fonte criadora e válvula de escapamento

  • A glândula pineal reajusta-se ao concerto orgânico e reabre seus mundos maravilhosos de sensações e impressões na esfera emocional. 

  • Entrega-se a criatura à recapitulação da sexualidade, examina o inventário de suas paixões vividas noutra época, que reaparecem sob fortes impulsos.

        A epífise preside aos fenômenos nervosos da emotividade, como órgão de elevada expressão no corpo_etéreo. Desata, de certo modo, os laços divinos da Natureza, os quais ligam as existências umas às outras, na seqüência de lutas, pelo aprimoramento da alma, e deixa entrever a grandeza das faculdades criadoras de que a criatura se acha investida.

        — Deus meu! — exclamei — e as glândulas genitais, onde ficam?

        O instrutor sorriu e esclareceu:

        — São demasiadamente mecânicas, para guardarem os princípios sutis e quase imponderáveis da geração. Acham-se absolutamente controladas pelo potencial magnético de que a epífise é a fonte fundamental. As glândulas genitais segregam os hormônios_do_sexo, mas a glândula pineal, se me posso exprimir assim, segrega "hormônios psíquicos” ou “unidades-força” que vão atuar, de maneira positiva, nas energias geradoras. Os cromossomos da bolsa seminal não lhe escapam à influenciação absoluta e determinada.

        Alexandre fez um gesto significativo e considerou:

        — No entanto, não estamos examinando problemas de embriologia. Limitemo-nos ao assunto inicial e analisemos a epífise, como glândula da vida espiritual do homem.

  • Segregando delicadas energias psíquicas, a glândula pineal conserva ascendência em todo o sistema endócrino.

  • Ligada à mente, através de princípios eletromagnéticos do campo_vital, que a ciência comum ainda não pode identificar, comanda as forças_subconscientes sob a determinação direta da vontade

  • As redes_nervosas constituem-lhe os fios telegráficos para ordens imediatas a todos os departamentos celulares, e sob sua direção efetuam-se os suprimentos de energias psíquicas a todos os armazéns autônomos dos órgãos

  • Manancial criador dos mais importantes, suas atribuições são extensas e fundamentais. 

  • Na qualidade de controladora do mundo emotivo, sua posição na experiência sexual é básica e absoluta.

        De modo geral, todos nós, agora ou no pretérito, viciamos esse foco sagrado de forças criadoras, transformando-o num ímã relaxado, entre as sensações_inferiores de natureza_animal

  • Quantas existências temos despendido na canalização de nossas possibilidades espirituais para os campos mais baixos do prazer materialista? 

  • Lamentavelmente divorciados da lei do uso, abraçamos os desregramentos emocionais, e daí, meu caro amigo, a nossa multimilenária viciação das energias geradoras, carregados de compromissos morais, com todos aqueles a quem ferimos com os nossos desvarios e irreflexões. 

  • Do lastimável menosprezo a esse potencial sagrado, decorrem os dolorosos fenômenos da hereditariedade_fisiológica, que deveria constituir, invariavelmente, um quadro de aquisições abençoadas e puras. (Ver: Epigenética)

  • A perversão do nosso plano mental consciente, em qualquer sentido da evolução, determina a perversão de nosso psiquismo inconsciente, encarregado da execução dos desejos e ordenações mais íntimas, na esfera das operações automáticas. 

  • A vontade desequilibrada desregula o foco de nossas possibilidades criadoras. 

        Daí procede a necessidade de regras morais para quem, de fato, se interesse pelas aquisições eternas nos domínios do Espírito. 

  • Renúncia,  

  • abnegação,  

  • continência sexual  

  • e disciplina emotiva não representam meros preceitos de feição religiosa.

    • São providências de teor científico, para enriquecimento eletivo da personalidade. 

    • Nunca fugiremos à lei, cujos artigos e parágrafos do Supremo Legislador abrangem o Universo

    • Ninguém enganará a Natureza. Centros vitais desequilibrados obrigarão a alma à permanência nas situações de desequilíbrio. 

    • Não adianta alcançar a morte física, exibindo gestos e palavras convencionais, se o homem não cogitou do burilamento próprio. 

    • A Justiça que rege a Vida Eterna jamais se inclinou. 

    • É certo que os sentimentos profundos do extremo instante do Espírito encarnado cooperam decisivamente nas atividades de regeneração além do túmulo, mas não representam a realização precisa.

        O instrutor falava em tom sublime, pelo menos para mim, que, pela primeira vez, ouvia comentários sobre consciência, virtude e santificação, dentro de conceitos estritamente lógicos e científicos no campo da razão.

        Agora, aclaravam-se-me os raciocínios, de modo franco.

        Receber um corpo, nas concessões do reencarnacionismo, não é ganhar um barco para nova aventura, ao acaso das circunstâncias, mas significa responsabilidade definida nos serviços de aprendizagem, elevação ou reparação, nos esforços evolutivos ou redentores.

        — Compreende, agora, as funções da epífise no crescimento mental do homem e no enriquecimento dos valores da alma? — indagou-me o orientador.

        — Sim... — respondi sob impressão forte.

        — Segregando “unidades-força” — continuou —, pode ser comparada a poderosa usina, que deve ser aproveitada e controlada, no serviço de iluminação, refinamento e benefício da personalidade e não relaxada em gasto excessivo do suprimento psíquico, nas emoções de baixa classe. Refocilar-se no charco das sensações_inferiores, à maneira dos suínos, é retê-la nas correntes tóxicas dos desvarios de natureza animal, e, na despesa excessiva de energias sutis, muito dificilmente consegue o homem levantar-se do mergulho terrível nas sombras, mergulho que se prolonga, além da morte corporal. Em vista disso, é indispensável cuidar atentamente da economia de forças, em todo serviço honesto de desenvolvimento das faculdades superiores. Os materialistas da razão pura, senhores de vastos patrimônios intelectuais, perceberam de longe semelhantes realidades e, no sentido de preservar a juventude, a plástica e a eugenia, fomentaram a prática do esporte, em todas as suas modalidades. Contra os perigos possíveis, na excessiva acumulação de forças nervosas, como são chamadas as secreções elétricas da epífise, aconselharam aos moços de todos os países o uso do remo, da bola, do salto, da barra, das corridas a pé. Desse modo, preservavam-se os valores orgânicos, legítimos e normais, para as funções da hereditariedade. A medida, embora satisfaça em parte, é, contudo, incompleta e defeituosa. Incontestavelmente, a ginástica e o exercício controlados são fatores valiosos de saúde; a competição esportiva honesta é fundamento precioso de socialização; no entanto, podem circunscrever-se a meras providências, em benefício dos ossos, e, por vezes, degeneram-se em elástico das paixões menos dignas. São muito raros ainda, na Terra, os que reconhecem a necessidade de preservação das energias psíquicas para engrandecimento do Espírito eterno. O homem vive esquecido de que Jesus ensinou a virtude como esporte da alma, e nem sempre se recorda de que, no problema do aprimoramento interior, não se trata de retificar a sombra da substância e sim a substância em si mesma.

         — Entende, agora, como é importante renunciar? Percebe a grandeza da lei de elevação pelo sacrifício? A sangria estimula a produção de células vitais, na medula óssea; a poda oferece beleza, novidade e abundância nas árvores. O homem que pratica verdadeiramente o bem, vive no seio de vibrações construtivas e santificantes da gratidão, da felicidade, da alegria. Não é fazer teoria de esperança. É princípio científico, sem cuja aplicação, na esfera comum, não se liberta a alma, descentralizada pela viciação nas zonas mais baixas da Natureza.

        E porque observasse que as instruções lhe tomavam demasiado tempo, Alexandre concluiu:

        — De acordo com as nossas observações, a função da epífise na vida mental é muito importante.

        — Sim — considerei —, compreendo agora a substancialidade de sua influenciação no sexo e entendo igualmente a dolorosa e longa tragédia sexual da humanidade. Percebo, nitidamente, o porquê dos dramas que se sucedem, ininterruptos, as aflições que parecem nunca chegar ao fim, as ansiedades que esbarram no crime, o cipoal do sofrimento, envolvendo lares e corações...

        — E o homem sempre disposto a viciar os centros sagrados de sua personalidade — concluiu Alexandre, solenemente —, sempre inclinado a contrair novos débitos, mas dificilmente decidido a retificar ou pagar.

        — Você pergunta se não seria mais interessante encerrar todas as experiências do sexo, sepultar as possibilidades do renascimento carnal. Semelhante indagação, no entanto, é improcedente. Ninguém deve agir contra a lei. O uso respeitável dos patrimônios da vida, a união enobrecedora, a aproximação digna, constituem o programa de elevação. É, portanto, indispensável distinguir entre harmonia e desequilíbrio, evitando o estacionamento em desfiladeiros fatais."

[ 16a -  página 18 ] - André Luiz - 1943

               Epífise - A Glândula do Raciocínio

        A máquina do raciocínio chamada cientificamente de Glândula Pineal ou Epífise, teve várias denominações ao longo do tempo. 

  • Há pelo menos 2.000 anos, foi considerada pelos cientistas-místicos como a "sede da alma" (sua morada). 

  • René Descartes, filósofo, místico e fundador da moderna matemática, referiu-se a ela como sendo a "sede da alma Racional", ou "glândula do saber, do conhecer". 

  • Do ponto de vista tradicional vem sendo considerada como o órgão de percepção da razão. 

  • Do ponto de vista científico moderno, é freqüentemente chamada de "reguladora das reguladoras" e "glândulas das glândulas", pelo seu papel na sensação física de bem estar. 

  • Em profecias de Nostradamus, encontramos esclarecimentos da importância dessa glândula nos tempos atuais, considerando-a "a antena mais fina e alta de nosso sistema nervoso central, a nossa central elétrica". 

  • É uma central dirigente do corpo como o capitão de um navio. 

  • Ocupa o centro de gravidade da massa cerebral e morfologicamente apresenta-se como um vestígio de algum terceiro olho a surgir remotamente nos homens do futuro. 

  • É uma espécie de radar psíquico, chamado também de "olho pineal", "sexto sentido", "corpo pineal". 

  • Para os hindus "centro de força", para os ocultistas "olho de shiva", por ser o responsável pela clarividência, a vidência Racional

  • É realmente o "olho" pelo qual o homem vê o mundo exterior e o mundo interior, o elo de ligação entre o macrocosmo e o microcosmo. 

  • Em forma de pinha, localizada no istmo do mesencéfalo, a máquina do raciocínio chamada de glândula Pineal ou Epífise Cerebral, tem função relacionada com a luz, mas não com a luz física e sim com a LUZ DIVINA, a Energia Racional.

http://www.geocities.com/SiliconValley/Lakes/4394/pineal.htm 

              A pineal está localizada no meio do cérebro, na altura dos olhos. Ela é um órgão cronobiológico, um relógio interno. Como ela faz isso? Captando as radiações do Sol e da Lua. A pineal obedece aos chamados Zeitbergers

  • Por exemplo, o Sol é um Zeitberger externos que regem as noções de tempo e que influencia a pineal, regendo o ciclo de sono e de vigília, quando esta glândula secreta o hormônio melatonina. Isso dá ao organismo a referência de horário. 

  • Existe também o Zeitberger interno, que são os genes, trazendo o perfil de ritmo regular de cada pessoa. 

        Nós vivemos em três dimensões e nos relacionamos com a quarta, através do tempo. A pineal é a única estrutura do corpo que transpõe essa dimensão, que é capaz de captar informações que estão além dessa dimensão nossa. A afirmação de Descartes, do ponto em que a alma se liga ao corpo, tem uma lógica até na questão física, que é esta glândula que lida com a outra dimensão, e isso é um fato.

  • Outros animais possuem a epífise?  Ela está relacionada à consciência? 
    R.:
    Todos os animais têm essa glândula; ela os orienta nos processos migratórios, por exemplo, pois ela sintoniza o campo magnético. Nos animais, a glândula pineal tem fotorreceptores iguais aos presentes na retina dos olhos, porque a origem biológica da pineal é a mesma dos olhos, é um terceiro olho, literalmente.

  • A pineal converte ondas eletromagnéticas em estímulos neuroquímicos? Isso é comprovado cientificamente? 
    R.:
    Sim, isso é comprovado. Quem provou isso foram os cientistas Vollrath e Semm, que têm artigos publicados na revista científica Nature, de 1988.

  • A parapsicologia diz que estes campos eletromagnéticos podem afetar a mente humana. O dr. Michael Persinger, da Laurentian University, no Canadá, fez experiências com um capacete que emite ondas eletromagnéticas nos lobos_temporais. As pessoas submetidas a essas experiências teriam tido “visões” e sentiram presenças espirituais. O dr. Persinger atribui esses fenômenos à influência dessas ondas eletromagnéticas. O que o senhor teria a dizer sobre isso? 
    R.:
    Veja, o espiritual age pelo campo eletromagnético. Então, dizer que este campo interfere no cérebro não contraria a hipótese de uma influência espiritual. Porque, se há uma interferência espiritual, esta se dá justamente pelo campo eletromagnético. Quando se fala do espiritual, em Deus, a interferência acontece na natureza pelas leis da própria natureza. Se o campo magnético interfere no cérebro, a espiritualidade interfere no cérebro PELO campo magnético. Uma coisa não anula a outra. Pelo contrário, complementam-se.

  • Como são feitas as experiências em laboratório? 
    R.:
    Existem dois tipos: um, que é a experiência de pesquisa das estruturas do cérebro, responsáveis pela integração espírito/corpo; e outra, que é a pesquisa clínica, das pessoas em transe_mediúnico. São testes de hormônios, eletroencefalogramas, tomografias, ressonância magnética, mapeamento cerebral, entre outros. A coleta de hormônios, por exemplo, pode ser feita enquanto o paciente está em estado de transe. E os resultados apresentam alterações significativas.  

  • É verdade que a pineal se calcifica com a meia-idade? E essa calcificação prejudica a mediunidade? 
    R.:
    Não, a pineal não se calcifica; ela forma cristais de apatita, e isso independe da idade. Estes cristais têm a ver com o perfil da função da glândula. Uma criança pode ter estes cristais na pineal em grande quantidade enquanto um adulto pode não ter nada. Percebemos, pelas pesquisas, que quando um adulto tem muito destes cristais na pineal, ele tem mais facilidade de seqüestrar o campo eletromagnético. Quando a pessoa tem muito desses cristais e seqüestra esse campo magnético, esse campo chega num cristal e ele é repelido e rebatido pelos outros cristais, e este indivíduo então apresenta mais facilidade no fenômeno_da_incorporação. Ele incorpora o campo com as informações do universo mental de outrem. É possível visualizar estes cristais na tomografia. Observamos que quando o paciente tem muita facilidade de desdobramento, ele não apresenta estes cristais.

  • A pineal pode ser estimulada com a entoação de mantras, como pregam os místicos?
    R.:
    A glândula está localizada em uma área cheia de líquido. Talvez o som desses mantras faça vibrar o líquido, provocando alguma reação na glândula. Os cristais também recebem influências de vibração. Deve vibrar o liquor, a glândula, alterando o metabolismo. Teria lógica.

        A suspeita de uma interferência espiritual surge quando a alteração nos exames não justifica a dimensão ou a proporção dos sintomas. Por exemplo: 

  • o indivíduo tem uma crise convulsiva fortíssima, é feito o eletroencefalograma e aparece uma lesão pequena. Não há, então, uma coerência entre o que está acontecendo e o que o exame está mostrando. A reação não é proporcional à causa. 

  • A mediunidade mexe com o sistema nervoso autônomo - descarga de adrenalina, aceleração do ritmo cardíaco, aumento da pressão arterial.

        Segundo Sérgio Felipe de Oliveira, a pineal captaria informações do mundo espiritual por ondas eletromagnéticas, como “um telefone celular”, e as transformaria em estímulos neuroquímicos.


http://www.espirito.org.br/portal/publicacoes/esp-ciencia/003/pineal.html

http://www.ippb.org.br/modules.php?op=modload&name=News&file=article&sid=1900&mode=thread&order=0&thold=0

Paula Calloni de Souza

Entrevista da revista Espiritismo & Ciência com o psiquiatra e mestre em Ciências pela Universidade de São Paulo, dr. Sérgio Felipe de Oliveira. Diretor-clínico do Instituto Pineal Mind, e diretor presidente da AMESP (Associação Médico-Espírita de São Paulo), Sérgio Felipe de Oliveira é um dos maiores pesquisadores na área de Psicobiofísica da USP, e vem ganhando destaque nos meios de comunicação com suas pesquisas acerca do papel da glândula pineal em fenômenos ligados à mediunidade.

A glândula pineal é derivada de células neuroectodérmicas e, à semelhança da retina, desenvolve-se a partir de uma invaginação do teto da parede do terceiro ventrículo.

(Ver: Folhetos blastodérmicos)

http://pt.wikipedia.org/wiki/Gl%C3%A2ndula_pineal

Glândula pineal e Melatonina 

        Efeitos da Melatonina:

  • Na década de 1950 a ação fisiológica da glândula pineal estava ligada à reprodução (Reiter 1980). 

  • Numerosas publicações sugeriam que a melatonina tinha ação pró-gonadotrófica, 

  • enquanto outras, não menos relevantes em número, apontavam a ação do hormônio da pineal como anti-gonadotrófico. 

  • Nos anos 60, a soma de conhecimentos da área da cronobiologia com conhecimentos da bioquímica da pineal permitiram resolver esta discrepância, demonstrando que a melatonina é um transdutor fotobiológico, sendo capaz de traduzir para termos biológicos as variações dos fotoperíodos ambientais. 

        Assim sendo, em animais que têm longo período de gestação (ex. ovinos), a melatonina é um hormônio pró-gonadotrófico, enquanto em animais com curtos períodos de gestação (hamster) a melatonina é anti-gonadotrófica.

        Atualmente sabemos que a melatonina é um hormônio que possui diferentes funções; atuando como um agente endócrino ou parácrino (Stefulj et alli, 2001). Como função mais abrangente a melatonina ajusta a resposta do organismo às condições de escuro, permitindo que haja uma adaptação às atividades e desempenhos noturnos de cada animal. Na maioria dos órgãos e tecidos a chegada da melatonina ocorre pela via circulatória e, portanto reflete a atividade da glândula pineal. Na retina a melatonina é produzida de forma rítmica localmente, e também tem como função adaptar os animais ao escuro. Esta é uma função parácrina. Mas, lembramos que este é um assunto em franca evolução.

  • Melatonina e adaptação à luz na retina

  • Melatonina e Reprodução

  • Melatonina e Controle Circadiano

  • Melatonina e as Respostas de Defesa do Organismo (Resposta Imunológica e Resposta Inflamatória)

  • Melatonina – fator secundário em diferentes fisiopatologias

 http://www.crono.icb.usp.br/glandpineal.htm 

ACÉRVULO Matéria arenosa, sabulosa, de algumas secreções glandulares, como a secreção pineal.

http://www.lidia.biz/dici/ab_ae.asp.htm 


  • Nos Anais do II Congresso Luso-brasileiro de Anatomia, 1: 298-307,1978 estão contidas informações sobre as "areias cerebrais" ou acérvulos pineais no que se refere à microscopia eletrônica de varredura.

  • Em Ciências Médicas,7(1-2):17-20, 1989 são encontradas informações sobre estes acérvulos à microscopia óptica.

  • Em JBM-Jornal Brasileiro de Medicina, 38(4):25-27,1980 há um estudo sobre o aparecimento destes acérvulos em humanos.

  • Em Almeida, Embriologia Veterinária Comparada, Guanabara Koogan, 1999 outros aspectos são relatados.

Colaboração de: Jorge Mamede 

jorgemamede@megazon.com.br


ACÉRVULO

Glândula pineal mostrando pinealocitos...

http://www.iqb.es/galeria/gala500.htm

Glândula pineal humana.

Anais do II Congresso Luso Brasileiro de Anatomia, vol. 1, 1976

Fotos de acérvulos à microscopia eletrônica de varredura (MEV)

As eletromicrografias de varredura ( MEV )  mostram o aspecto laminar concêntrico do acérvulo pineal (corpora arenacea  ou areia cerebral ).

MEV 500 X – Corpora arenacea coraliforme, de contorno festonado, em “godet”.

MEV 5000 X. Superfície interna de corpora arenacea apresentando lâminas concêntricas justapostas, de bordo granuloso; destacam-se os grãos e os grânulos aderentes às lâminas concêntricas.

Colaboração de Jorge Mamede - jorgemamede@megazon.com.br

        Após analisar a composição da glândula pineal, o cientista Sérgio Felipe de Oliveira detectou na sua estrutura cristais de apatita, mineral também encontrado na natureza sob a forma de pedras laminadas. Segundo suas pesquisas, esse cristal capta campos eletromagnéticos. "E o plano espiritual age por meio desses campos. A interferência divina sempre acontece obedecendo as leis da própria natureza", esclarece Sérgio Felipe, que é diretor-presidente da Associação Médico-Espírita de São Paulo (Amesp). 

  • "Os médiuns, pessoas capazes de entrar em contato com outras dimensões espirituais, apresentam maior quantidade de cristais de apatita na pineal

  • Os iogues e místicos, que experimentam estados de meditação e êxtase profundos, têm menor quantidade", atesta Sérgio Felipe. 

        E ninguém pode aumentar ou diminuir essa concentração de cristais, garante o psiquiatra - ela é uma característica biológica, assim como a cor dos olhos e cabelos. Sérgio explica que a glândula é um receptor poderoso, mas quem decodifica as informações recebidas são outras áreas do cérebro, como o córtex frontal cerebral. "Sem essa interação, as informações recebidas não são compreendidas. É por isso que os animais não podem decodificá-las: as outras partes do cérebro deles não têm esse atributo", conclui.

 

http://www.universus.com.br/art417.htm

Para confirmar sua tese, Sérgio Felipe de Oliveira realizou diversos exames neurológicos (como tomografia e eletroencefalograma) em pacientes em transe. “Verificamos a atividade na pineal durante esses momentos. Ela é uma espécie de antena que capta estímulos da alma de outras pessoas, vivas ou mortas, como se fosse um olho sensível à energia eletromagnética”, diz.

http://clipping.planejamento.gov.br/Noticias.asp?NOTCod=332214 

        A glândula pineal, também denominada de ... 

  • órgão pineal, 

  • epífise neural, 

  • ou simplesmente pineal

        É uma estrutura única e muito pequena localizada no cérebro; ela participa na regulação endócrina da reprodução, do sistema imunológico e da organização dos ritmos biológicos, atuando como mediadora entre ... 

  • o ciclo claro/escuro ambiental e 

  • processos fisiológicos tais como sono/vigília, atividade/repouso, entre outros. 

        Ela é facilmente visível em radiografias; por isso, até recentemente muitos afirmavam que a glândula estava calcificada e era uma estrutura em involução.
        Atualmente devido a sua importância em cronobiologia, a pineal tem sido muito estudada; assim, foi demonstrado que ela não se calcifica; e, sim, forma cristais de apatita: um mineral incolor composto por fosfato de cálcio que contém URÂNIO em seu interior e, que tem sido muito estudado no Instituto de Física da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).
        A pineal está numa área cheia de líquido, por ser recoberta por uma lâmina de tecido corióide do terceiro ventrículo; local esse que, da mesma forma que em outros ventrículos cerebrais, circula o liquor cérebro-espinhal.
        Segundo o físico-espiritualista, Dr. Valdir Aguilera, os pensamentos são irradiações ondulatórias produzidas por vibrações do espírito, encarnado ou desencarnado; ele não se propaga por ondas eletromagnéticas e sim através de ondas vibratórias. E o ambiente líquido onde a pineal está localizada de certa forma facilitaria a captação dessas ondas vibratórias.
        Por outro lado, os cristais de apatita que essa glândula contém são capazes de captar campos eletromagnéticos. É provável que seja então a interação desses dois fatores que fazem a pineal atuar como uma verdadeira antena vibrátil; e essa antena será tanto mais sensível quanto maior for o seu conteúdo de apatita.


Mediunidade de incorporação e a glândula pineal

Glaci Ribeiro da Silva

http://www.racionalismo-cristao.org.br/gazeta/mediunid/mediunidade-e-glandula-pineal.html

História da Glândula Pineal – Epífise 

 

http://www.edumed.org.br/cursos/neurociencia/01/Monografias/historia-pineal.doc 

Os Centros de Força e A Glândula Pineal 

 

http://www.cvdee.org.br/em/em07.rtf 

Da Glândula Pineal à Sensibilidade Espiritual (II)

 

http://www.espirito.org.br/portal/artigos/iso-jorge/da-glandula-pineal.html

http://www.portaldoespirito.com.br/portal/artigos/iso-jorge/da-glandula-pineal.html

Glândula Pineal - Dr. Sérgio Felipe de Oliveira

Vídeos:

Colaboração de CEECAL - Centro de Estudos Espírita Caminho da Luz: http://ceecal.com/



ESPIRITISMO GLOBO REPORTER PESQUISAS ESPIRITUAIS

LINKs:

Ver também:

 

Crianças e Adolescentes

DESAPARECIDOS