Centros Vitais - Chacras
Página acima: Perispírito
 

--

   

 (Centros de força - Pontos de força - Centros morfogênicos)

        Estudado no plano em que nos encontramos, na posição de criaturas desencarnadas, o corpo_espiritual_ou_psicossoma é, assim, o veículo físico, relativamente definido pela ciência humana, com os centros vitais que essa mesma ciência, por enquanto, não pode perquirir e reconhecer.

        No perispírito possuímos todo o equipamento de recursos automáticos que governam os bilhões de entidades microscópicas a serviço da Inteligência, nos círculos de ação em que nos demoramos, recursos esses adquiridos vagarosamente pelo ser, em milênios e milênios de esforço e recapitulação, nos múltiplos setores da evolução anímica.

        É assim que, regendo a atividade funcional dos órgãos relacionados pela fisiologia terrena, nele identificamos:

  • o centro coronário, instalado na região central do cérebro, sede da mente, centro que assimila os estímulos do Plano Superior e orienta a forma, o movimento, a estabilidade, o metabolismo orgânico e a vida consciencial da alma encarnada ou desencarnada, nas cintas de aprendizado que lhe corresponde no abrigo planetário. O centro coronário supervisiona, ainda, os outros centros vitais que lhe obedecem ao impulso, procedente do Espírito, assim como as peças secundárias de uma usina respondem ao comando da peça-motor de que se serve o tirocínio do homem para concatená-las e dirigi-las.
                           Ver:
    Sincronia de estímulos

        Desses centros secundários, entrelaçados no psicossoma e, conseqüentemente, no corpo físico, por redes plexiformes, destacamos: 

  • o centro cerebral contíguo ao coronário, com influência decisiva sobre os demais, governando o córtex_encefálico na sustentação dos sentidos, marcando a atividade das glândulas_endocrínicas e administrando o sistema nervoso, em toda a sua organização, coordenação, atividade e mecanismo, desde os neurônios sensitivos até as células efetoras;

  • o centro laríngeo, controlando notadamente a respiração e a fonação; 

  • o centro cardíaco, dirigindo a emotividade e a circulação das forças de base;

  • o centro esplênico, determinando todas as atividades em que se exprime o sistema hemático, dentro das variações de meio e volume sangüíneo;   

  • o centro gástrico, responsabilizando-se pela digestão e absorção dos alimentos densos ou menos densos que, de qualquer modo, representam concentrados fluídicos penetrando-nos a organização, 

  • e o centro genésico, guiando a modelagem de novas formas entre os homens ou o estabelecimento de estímulos criadores, com vistas ao trabalho, à associação e à realização entre as almas.

André Luiz  (Uberaba,19 de Janeiro de 1958) [56 - página 28] 

        A exteriorização dos centros vitais se processa associando:

        Os cientistas humanos chegarão, por si próprios, à realização referida, como já atingiram noções preciosas quanto à regressão da memória e exteriorização da sensibilidade.

[56 - página 169] - Uberaba, 23/4/1958

  
Conflitos da Alma

 

        ... Atingíramos a graciosa residência de Blandina, no plano espiritual.
        O choro do menino Júlio infundia compaixão. (Júlio havia desencarnado por afogamento, trazia consigo a morte prematura no quadro de provações. Era um suicida reencarnado... )
        Após saudarmos a devotada Mariana, que o assistia com desvelo maternal, o Ministro examinou-o e notificou à irmã Blandina, algo inquieta:
        — Estejamos tranquilos. Espero conduzi-lo à reencarnação em breves dias.
        — Sim, essa providência não deve tardar —considerou nossa amiga, atenciosa.
        Assinalando-nos decerto a curiosidade, de vez que também percebia Hilário interessado em adquirir informações e conhecimentos em torno dos problemas que anotávamos de perto, o instrutor convidou-nos a observar a infortunada criança, comunicando:
        — Como não desconhecem, o nosso_corpo_de_matéria_rarefeita está íntimamente regido por sete centros de força, que se conjugam nas ramificações dos plexos e que, vibrando em sintonia uns com os outros, ao influxo do poder diretriz da mente, estabelecem, para nosso uso, um veículo_de_células_elétricas, que podemos definir como sendo um campo electromagnético, no qual o pensamento vibra em circuito fechado.

  • Nossa posição mental determina o peso específico do nosso envoltório_espiritual e, consequentemente, o «habitat» que lhe compete. Mero problema de padrão vibratório.
  • Cada qual de nós respira em determinado tipo de onda.
  • Quanto mais primitiva se revela a condição da mente, mais fraco é o influxo vibratório do pensamento, induzindo a compulsória aglutinação do ser às regiões da consciência embrionária ou torturada, onde se reúnem as vidas inferiores que lhe são afins.
  • O crescimento do influxo mental, no veículo_electromagnético em que nos movemos, após_abandonar_o_corpo_terrestre, está na medida da experiência adquirida e arquivada em nosso próprio espírito.

        Atentos a semelhante realidade, é fácil compreender que sublimamos ou desequilibramos o delicado agente_de_nossas_manifestações, conforme o tipo de pensamento que nos flui da vida íntima.

  • Quanto mais nos avizinhamos da esfera animal, maior é a condensação obscurecente de nossa organização,
  • e quanto mais nos elevamos, ao preço de esforço próprio, no rumo das gloriosas construções do espírito, maior é a sutileza de nosso envoltório, que passa a combinar-se facilmente com a beleza, com a harmonia e com a luz reinantes na Criação Divina.

        Ouvíamos as preciosas explicações, enlevados, mas Clarêncio, reparando que não nos cabia fugir do quadro ambiente, voltou-se para a garganta enferma de Júlio e continuou:
        — Não nos afastemos das observações práticas, para estudar com clareza os conflitos da alma.

  • Tal seja a viciação do pensamento,
  • tal será a desarmonia no centro de força, que reage em nosso corpo a essa ou àquela classe de influxos mentais.  

        Apliquemos à nossa aula rápida, tanto quanto nos seja possível, a terminologia trazida do mundo, para que vocês consigam fixar com mais segurança os nossos apontamentos. Analisando a fisiologia do perispírito, classifiquemos os seus centros de força, aproveitando a lembrança das regiões mais importantes do corpo_terrestre.

  • Temos, assim, por expressão máxima do veículo que nos serve presentemente, o «centro_coronário» que, na Terra, é considerado pela filosofia hindu como sendo o lótus de mil pétalas, por ser o mais significativo em razão do seu alto potencial de radiações, de vez que nele assenta a ligação com a mente, fulgurante sede da consciência. Esse centro recebe em primeiro lugar os estimulos do espírito, comandando os demais, vibrando todavia com eles em justo regime de interdependência. Considerando em nossa exposição os fenômenos do corpo físico, e satisfazendo aos impositivos de simplicidade em nossas definições, devemos dizer que dele emanam as energias de sustentação do sistema_nervoso e suas subdivisões, sendo o responsável pela alimentação das células_do_pensamento e o provedor de todos os recursos electromagnéticos indispensáveis à estabilidade orgânica. É , por isso,
    • o grande assimilador das energias solares
    • e dos raios da Espiritualidade Superior capazes de favorecer a sublimação da alma.
  • Logo após, anotamos o “centro_cerebral”, contíguo ao “centro coronário”, que ordena as percepções de variada espécie, percepções essas que, na vestimenta carnal, constituem a visão, a audição, o tato e a vasta rede de processos da inteligência que dizem respeito à Palavra, à Cultura, à Arte, ao Saber. É no «centro cerebral» que possuímos o comando do núcleo_endocrínico, referente aos poderes_psíquicos.
  • Em seguida, temos o «centro laríngeo», que preside aos fenômenos vocais, inclusive às atividades do timo, da tireóide e das paratireóides.
  • Logo após, identificamos o «centro cardíaco», que sustenta os serviços da emoção e do equilíbrio geral.
  • Prosseguindo em nossas observações, assinalamos o «centro_esplênico» que, no corpo_denso, está sediado no baço, regulando a distribuição e a circulação adequada dos recursos vitais em todos os escaninhos do veículo de que nos servimos.
  • Continuando, identificamos o «centro_gástrico», que se responsabiliza pela penetração de alimentos e fluidos em nossa organização e,
  • por fim, temos o «centro genésico», em que se localiza o santuário do sexo, como templo modelador de formas e estímulos.

        O instrutor fêz pequena pausa de repouso e prosseguiu:
        —  Não podemos olvidar, porém, que o nosso veículo_sutil, tanto quanto o corpo_de_carne, é criação mental no caminho evolutivo, tecido com recursos tomados transitoriamente por nós mesmos aos celeiros do Universo, vaso de que nos utilizamos para ambientar em nossa individualidade eterna a divina luz da sublimação, com que nos cabe demandar as esferas do Espírito Puro. Tudo é trabalho da mente no espaço e no tempo, a valer-se de milhares de formas, a fim de purificar-se e santificar-se para a Glória Divina.
        Clarêncio afagou a garganta doente do menino, dando-nos a ideia de que nela fixava o objeto de nossas lições, e aduziu:
       Quando a nossa mente, por atos contrários à Lei Divina, prejudica a harmonia de qualquer um desses fulcros de força de nossa alma, naturalmente se escraviza aos efeitos da ação desequilibrante, obrigando-se ao trabalho de reajuste. No caso de Júlio, observamo-lo como autor da perturbação no «centro laríngeo», alteração que se expressa por enfermidade ou desequilíbrio a acompanhá-lo fatalmente à reencarnação.
        —  E como sanará ele semelhante deficiência? — perguntei, edificado com os esclarecimentos ouvidos.
        Com a serenidade invejável de sempre, o Ministro ponderou:
       —  Nosso Júlio, de atenção encadeada à dor da garganta, constrangido a pensar nela e padecendo-a, recuperar-se-á mentalmente para retificar o tônus vibratório do "centro laríngeo", restabelecendo-lhe a normalidade em seu próprio favor.
        E decerto para gravar, com mais segurança, a elucidação, concluiu:
       —  Júlio renascerá num equipamento_fisiológico deficitário que, de algum modo, lhe retratará a região lesada a que nos reportamos. Sofrerá intensamente do órgão vocal que, sem dúvida, se caracterizará por fraca resistência aos assaltos microbianos, e, em virtude de o nosso amigo haver menosprezado a bênção do corpo físico, será defrontado por lutas terríveis, nas quais aprenderá a valorizá-lo.
        Em seguida, porém, o instrutor desdobrou várias operações magnéticas, a benefício do pequeno enfermo, que se mantinha calmo, e, com os agradecimentos das duas solícitas irmãs que nos ouviam, atentamente, despedimo-nos de retorno ao nosso domicílio espiritual.

[4 - páginas 162/167] - André Luiz

        A complexa tessitura psicossômica apresenta, ao que tudo indica, um número considerável de “pontos de força”, responsáveis pela distribuição da energia_vital e pelo equilíbrio fisiológico do organismo físico

        Nos Vedas, já se sabia da sua existência. E muito antes os chineses com base no Taoísmo.  

[1 - página 75]  - (“neuropsíquica” [1 - página 169])

Segundo se compreende, é através do duplo_etérico, com seus recursos vitais disponíveis que os centros de forças do perispírito, compondo um complexo sistema de redes de intercomunicação e interação energética, sustentam a organização somática, possibilitando que cada célula física receba da respectiva célula psicosômica, sua matriz anatômica e fisiológica, a energia necessária à sua sustentação.

[1 - página 168] - (“emanações neuropsíquicas” [28_-_cit._página_99]*)

        A tradição oriental denomina esses centros de chacras ou tchacras (do sâncrito: roda, círculo,disco,órbita), localizar-se-iam, num segundo corpo, sutil, matriz do físico. 

        São sete os principais chacras. 

        Em sâncrito: 

  • sahasrâra, situado no alto da cabeça; 
  • ajnã, na região frontal do cérebro
  • vishuddha, na região do pescoço; 
  • anâhata, sobre o coração; 
  • manipura, na região do estômago; 
  • swadhisthana, na altura do baço
  • e mulâdhâra, situado na parte inferior da coluna vertebral. 

        O perispírito rege a vida física, dinamizando a energia_vital aglutinada no chamado duplo_etérico, através de seus centros de força.  Como estes se projetam no duplo etérico, de natureza mais próxima à do corpo material, refletindo-se neste, torna-se possível sua detecção por instrumentação física.

[1 - página 78]

        É sob o comando dos centros vitais do psicossoma que se processa a interação energética total entre o corpo físico e o perispírito. Identificados por alguns cientistas como “centros morfogênicos”.  Nas fases de intermissão os centros vitais nada perdem em importância, na sustentação do dinamismos perispírito, embora com algumas transformações importantes, principalmente, nos centros_gástrico e genésico, como informa André Luiz (espírito).

[1 - página_85]     [13 - cit. página 28]*


Os
Centros de Força e a Glândula Pineal 

http://www.cvdee.org.br/em/em07.rtf 

Explicação Animada sobre Chakras




 



LINKs:

Ver também:

Crianças e Adolescentes

DESAPARECIDOS