Página acima: Guia Heu
Espírito

--

--

 

JOÃO [3]

  • 1 Ora, havia entre os fariseus um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus.
  • 2 Este foi ter com Jesus, de noite, e disse-lhe: Rabi, sabemos que és Mestre, vindo de Deus; pois ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não estiver com ele.
  • 3 Respondeu-lhe Jesus: Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer_de_novo, não pode ver o reino de Deus.
  • 4 Perguntou-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? porventura pode tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer?
  • 5 Jesus respondeu: Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus.
  • 6 O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito.
  • 7 Não te admires de eu te haver dito: Necessário vos é nascer de novo.
  • 8 O vento sopra onde quer, e ouves a sua voz; mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito.
  • 9 Perguntou-lhe Nicodemos: Como pode ser isto?
  • 10 Respondeu-lhe Jesus: Tu és mestre em Israel, e não entendes estas coisas?
  • 11 Em verdade, em verdade te digo que nós dizemos o que sabemos e testemunhamos o que temos visto; e não aceitais o nosso testemunho!
  • 12 Se vos falei de coisas terrestres, e não credes, como crereis, se vos falar das celestiais?

Jesus a Nicodemos, Evangelho de João capítulo 3, vers 1 a 12.

        Quanto a existência do Espírito, já é muito que seja uma teoria que nem a razão, nem a ciência repelem.  Acresce que, se os fatos a corroboram, tem ela por si a sanção do raciocínio e da experiência.  Esses fatos se nos deparam no fenômeno das manifestações espíritas, que, assim, constituem a prova patente da existência e da sobrevivência da alma.  Muitas pessoas há, entretanto, cuja crença não vai além desse ponto; que admitem a existência das almas e, conseguintemente, a dos Espíritos, mas que negam a possibilidade de nos comunicarmos com eles, pela razão, dizem, de que seres imateriais não podem atuar sobre a matéria.  Esta dúvida assenta na ignorância da verdadeira natureza dos Espíritos, dos quais em geral fazem ideia muito falsa, supondo-os erradamente seres abstratos, vagos e indefinidos, o que não é real.

[17b - página 22]

 

O Espírito não é, pois, um ponto, uma abstração; é um ser limitado e circunscrito, ao qual só falta ser visível e palpável, para se assemelhar aos seres humanos. Por que, então, não haveria de atuar sobre a matéria?  Por ser fluídico o seu corpo?  

[17b - página 23]

        Hão dito que o Espírito é uma chama, uma centelha.  Isto se deve entender com relação ao Espírito propriamente dito, como princípio_intelectual_e_moral, a que se não poderia atribuir forma determinada.  Mas, qualquer que seja o grau em que se encontre, o Espírito está sempre revestido de um envoltório, ou perispírito, cuja natureza se eteriza, à medida que ele se depura e eleva na hierarquia espiritual.  De sorte que, para nós, a ideia de forma é inseparável da de Espírito e não concebemos uma sem a outra.

[17b - página 78 item 55]

 

A ausência de demonstrações histológicas não implica a inexistência do Espírito. É essa certeza que compete à Ciência atingir.  

[71 - página 78]  Emmanuel - 1938

Sobre as relações dos primeiros cristãos com os Espíritos

        Na linguagem filosófica da Grécia, a palavra demônio (daimon) era sinônimo de gênio ou de Espírito.

    • Tal, por exemplo, o demônio de Sócrates.

        Fazia-se distinção entre os bons e os maus demônios. Platão dá mesmo a Deus o nome de demônio onipotente. O Cristianismo adotou em parte esses termos, mas modificou-lhes o sentido.Aos bons demônios deu ele o nome de anjos, e os maus se tornaram os demônios, sem adjetivação. A palavra espírito (pneuma) ficou sendo a expressão usada para designar uma inteligência privada de corpo carnal.
        Essa palavra pneuma, traduziu-a São Jerônimo como spiritus, reconhecendo, com os evangelistas, que há bons e maus Espíritos. A idéia de divinizar o Espírito não surgiu senão no século II. Foi somente depois da Vulgata que a palavra sanctus foi constantemente ligada à palavra spiritus, não conseguindo essa junção, na maioria dos casos, senão tornar o sentido mais obscuro e mesmo, às vezes, ininteligível. Os tradutores franceses dos livros canônicos foram ainda mais longe a esse respeito e contribuíram para desnaturar o sentido primitivo. Eis aqui um exemplo, entre outros muitos:

    • lê-se em Lucas (cap. XI, texto grego):

      • 10. “Aquele que pede, recebe; o que procura acha; ao que bate se abrirá.”
      • 13. “Portanto, se bem que sejais maus, sabeis dar boas coisas a vossos filhos, com muito mais forte razão vosso Pai enviará do céu um bom espírito àqueles que lho pedirem.”

[6 - página 276 - Nota 6]

        Os Espíritos estão livres das imperfeições físicas, quer dizer,das doenças e enfermidades do corpo; mas as imperfeições morais são do Espírito e não do corpo. Entre eles há os que estão mais ou menos avançados intelectual e moralmente. Seria um erro crer-se que os Espíritos, deixando seu corpo material, são subitamente atingidos pela luz da verdade. (Ver: Após a morte)

  • Credes, por exemplo, que quando morrerdes não haverá nenhuma diferença entre vosso Espírito e o de um selvagem ou o de um malfeitor? 

  • Se fora assim, de que vos serviria ter trabalhado pela vossa instrução e aprimoramento, uma vez que um vadio seria tanto quanto vós depois da morte? 

        O progresso_dos_Espíritos não se realiza senão gradualmente e, algumas vezes, bem lentamente. Entre eles, e isso depende da sua depuração, há os que vêem as coisas sob um ponto de vista mais justo que em sua vida física; outros, ao contrário, têm as mesmas paixões, os mesmos preconceitos e os mesmos erros, até que o tempo e novas provas lhes tenham permitido se esclarecerem. Notai bem que isto é um resultado da experiência, porque é assim que eles se apresentam a nós em suas comunicações. É , pois, um princípio elementar do Espiritismo que, entre os Espíritos, há_os_de_todos_os_graus_de_inteligência e de moralidade.

        Os Espíritos têm, todos, a mesma origeme a mesma destinação. As diferenças que existem entre eles não constituem espécie distinta, mas diversos graus de adiantamento. Os Espíritos não são perfeitos porque são as almas_dos_homens e os homens não são perfeitos; pela mesma razão os homens não são perfeitos porque são a encarnação de Espíritos mais ou menos avançados. O mundo corporal e o mundo_espiritual se derramam incessantemente um sobre o outro; pela morte_do_corpo, o mundo corporal fornece seu contingente ao mundo espiritual e, pelo nascimento, o mundo espiritual alimenta a Humanidade. A_cada_nova_existência, o Espírito realiza um progresso mais ou menos grande, e quando adquire sobre a Terra a soma de conhecimentos e elevação moral que comporta nosso globo, ele o troca para passar a um mundo mais elevado, onde aprende coisas novas.

        Os Espíritos que formam a população_invisível_da_Terra são, de algumasorte, o reflexo do mundo corporal; encontram-se aí os mesmos vícios e as mesmas virtudes. Há entre eles sábios, ignorantes e falsos sábios, prudentes e estouvados, filósofos, raciocinadores e sistemáticos. Não se tendo desfeito de todos os seus preconceitos, todas as opiniões políticas e religiosas têm aí seus representantes. Cada um fala segundo as suas ideias e o que dizem, freqüentemente, não é senão sua opinião pessoal. Eis porque não é preciso acreditar cegamente em tudo o que dizem os Espíritos.

[78 - Diversidade dos Espíritos]

 

        É o ator e portador da cultura, caracterizado por individualidade, consciência, inteligência, afetividade, sentimentos, valores, princípios morais, criatividade. Experiência acumulada. Ser inteligente do Universo.


http://www.sbee.com.br/glossario.htm
 

 

       

É o Espírito, o princípio inteligente do Universo.

[9 - questão 23]

 

       

Os Espíritos são os seres inteligentes da criação. Povoam o Universo, fora do mundo material.   

[9ª - página 80 questão 76]

 

       

O Espírito é um ser semimaterial formado pelo princípio inteligente e do corpo fluídico.  

[1- página 24]

 

Por Espírito deve-se entender a Alma revestida de seu envoltório_fluídico, que tem a forma do corpo físico (humana) e participa da imortalidade da alma, de que é inseparável.  

[1 - página 55]    [7 - página 46]*    [6 - página 219]*

 

A criação dos Espíritos é permanente. Deus jamais deixou de criar. 

[9ª - página 81 questão 80]

 

  • Os Espíritos são a individualização do princípio_inteligente,
  • como os corpos são a individualização do princípio material.

        A época e o modo por que essa formação se operou é que são desconhecidos. 

 

[9ª - página 81 questão 79]

 

Deus os cria, como a todas as outras criaturas, pela Sua vontade. Mas, repito ainda uma vez, a origem deles é mistério. 

 

[9ª - página 81 questão 81] 

        Como se pode definir o Espírito, quando faltam termos de comparação e com uma linguagem deficiente?  Pode um cego de nascença definir a luz?  Imaterial não é bem o termo; incorpóreo seria mais exato, pois deves compreender que, sendo uma criação, o Espírito há de ser alguma coisa. É a matéria quintessenciada, mas sem analogia para vós outros, e tão etérea que escapa inteiramente ao alcance dos vossos sentidos.  

[9ª - página 82 questão 81]

 

        Há muitas coisas que não compreendeis, porque tendes limitada a inteligência.  Isso, porém, não é razão para que as repilais. O filho não compreende tudo o que a seu pai é compreensível, nem o ignorante tudo o que o sábio apreende. Dizemos que a existência dos Espíritos não tem fim.  É tudo o que podemos, por agora, dizer.

[9ª - página 82 questão 83]

       

O Espírito está presente em todo elemento vivo dos domínios materiais.

Consciência espírita: www.consciesp.org.br 

 

  • Só os Espíritos inferiores podem sentir saudades de gozos, que perderam deixando a Terra, natureza impura qual a deles, gozos que lhes acarretam a expiação pelo sofrimento. 

  • Para os Espíritos elevados, a felicidade eterna é mil vezes preferível aos prazeres efêmeros da Terra.

[9ª - página 189 questão 313]

  • Qual a origem do Espírito?

  • Onde o seu ponto inicial?

  • Forma-se do princípio inteligente individualizado?

        Tudo isso são mistérios que fora inútil querer devassar e sobre os quais, como dissemos, nada mais se pode fazer do que construir sistemas. O que é constante, o que ressalta do raciocínio e da experiência é a sobrevivência do Espírito, a conservação de sua individualidade após a morte, a progressividade_de_suas_faculdades, seu estado feliz ou desgraçado de acordo com o seu adiantamento na senda do bem e todas as verdades morais decorrentes deste princípio.

[9ª - página 304  questão 613]

        O Espírito...

  • se adensa na sombra 

  • ou se sutiliza na luz, sob o império dos raios mentais que elege para combustível de suas emoções mais profundas.

Dias da Cruz (Espírito) - 17/11/1955

 

[81 - página 99]

Muitos vêem na expressão "matéria é energia condensada" um dos últimos esforços do materialismo para poder explicar o Espírito.

http://www.geocities.com/Athens/Academy/8482/poliss.html 

POLISSEMIAS NO ESPIRITISMO -  Aécio Pereira Chagas

 

Para a Doutrina_espírita, o Espírito é o ser inteligente do Universo consciência de sua individualidade, a consciência em relação a outros Espíritos e a consciência de seu papel na estruturação inteligente do Universo. (Ver em: Energia)

SBEE - Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas   

http://www.sbee.com.br/gem_espirito.htm 

Vozes do Espírito

A Natureza é minha Mãe.
O Universo é meu Caminho.
A Eternidade é meu Reino.
A Imortalidade é minha Vida.
A Mente é meu Lar.
O Coração é meu Templo.
A Verdade é meu Culto.
O Amor é minha Lei.
A Forma em sí é minha Manifestação.
A Consciência é meu Guia.
A Paz é meu Abrigo.
A Experiência é minha Escola.
O Obstáculo é minha Lição.
A Dificuldade é meu Estímulo.
A Alegria é meu Cântico.
A Dor é meu Aviso.
A Luz é minha Realização.
O Trabalho a minha Benção.
O Amigo é meu Companheiro.
O Adversário é meu Instrutor.
O Próximo é meu Irmão.
A Luta é minha Oportunidade.
O Passado a minha Advertência.
O Presente a minha Realidade.
O Futuro a minha Promessa.
O Equilíbrio é minha Atitude.
A Ordem é minha Senha.
A Beleza é meu Ideal.
A Perfeição é o meu Destino.

O ESPÍRITO

Médium: Francisco Cândido Xavier

http://www.luizbertini.net/mensagem.html#r

Ver também:

 

Crianças e Adolescentes

DESAPARECIDOS