Página acima: Homem
Imortalidade da Alma

--

 


http://www.facebook.com/photo.php?fbid=366769670058642&set=a.214674598601484.49569.204657172936560&type=1&ref=nf

Filme baseado na obra psicografada por Chico Xavier.
Pelo Espírito André Luiz

      

        Os Espíritos superiores afirmam ...

  • que a ciência humana caminha na direção do porvir;  
  • que o homem não abusará no setor do progresso_espiritualcomo vem fazendo nas linhas de evolução material, onde se transformam prodigiosas dádivas divinas em forças de destruição e miséria.
  • E, em plano moral mais alto, analisando os componentes da substância ectoplasmática, com exatidão e propriedade, terá inconteste prova da imortalidade.

[0]

(Ver: EQM - Experiência de quase-morte;   Futuro do fenômeno físico  e  Ciência e Espírito )

LUCAS[20]

  • 34 Respondeu-lhes Jesus: Os filhos deste mundo casaram-se e dão-se em casamento;

  • 35 mas os que são julgados dignos de alcançar o mundo vindouro, e a ressurreição dentre os mortos, nem se casam nem se dão em casamento; (Ver: Sexo no Espírito)

  • 36 porque já não podem mais morrer; pois são iguais aos anjos, e são filhos de Deus, sendo filhos da ressurreição.

  • 37 Mas que os mortos hão de ressurgir, o próprio Moisés o mostrou, na passagem a respeito da sarça, quando chama ao Senhor; Deus de Abraão, e Deus de Isaque, e Deus de Jacó.

  • 38 Ora, ele não é Deus de mortos, mas de vivos; porque para ele todos vivem.

A EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS RELIGIOSOS

        A ideia da imortalidade é latente em todas as almas e é o substrato de todas as religiões antigas e modernas.
        Os sistemas religiosos, em cada período de progresso humano, renovam-se na fonte de verdade relativa que promana do Alto, compatível com a época.
        Nos tempos modernos, as ideias novas, referentes ao espiritualismo e à imortalidade, necessitam difusão por toda parte. Não mais a concepção de um Deus terrível, criando a eternidade_dos_tormentos, segundo a teologia em voga, que tem ensinado erradamente a ideia de um paraíso_beatífico, insípido, e um inferno aterrador, irremissivelmente eterno; não mais a religião que malsina o progresso e a investigação, mas a ideia pura e verdadeira da imortalidade para todas as criaturas, a vida estuando em todo
o Universo, e a luta em todos os seus mais recônditos redutos argamassando, à custa dos esforços de cada um, o portentoso edifício da evolução humana.

[71 - página 87]  - Emmanuel - 1938

  

Justino

Justino (em latim: Flavius Iustinus ou Iustinus Martir), também conhecido como Justino Mártir ou Justino de Nablus (100 - 165) foi um teólogo do século II.

       Vede o fim que tiveram os imperadores que vos precederam:

  • todos morreram de morte comum.
  • Se a morte terminasse na inconsciência, seria uma boa sorte para todos os malvados.

        Admitindo, porém, que a consciência permanece em todos os nascidos, não sejais negligentes em convencer-vos e crer que essas coisas são verdade.

        De fato, ...

  • a necromancia,
  • o exame das entranhas de crianças inocentes,
  • as evocações_das_almas_humanas e os que são chamados entre os magos de espíritos dos sonhos e espíritos assistentes,
  • os fenômenos que acontecem sob a ação dos que sabem essas coisas, devem persuadir-vos de que, mesmo depois_da_morte, as almas conservam a consciência.

        Do mesmo modo, poderíamos citar ...

  • os que são arrebatados e agitados pelas almas dos mortos, aos quais todos chamam de possessos ou loucos;
  • aqueles que entre vós são chamados de oráculos de Anfiloco, de Dodona, de Piton e outros semelhantes;
  • as doutrinas de escritores como Empédocles e Pitágoras, Platão e Sócrates, aquela caverna de Homero,
  • a descida de Ulisses para averiguar essas coisas, e outros que disseram coisas parecidas.

        Recebei-nos, portanto, pelo menos de modo semelhante a esses, pois não cremos menos do que eles em Deus e sim mais do que eles: esperamos recuperar nossos próprios corpos depois de mortos e enterrados, porque dizemos que para Deus não há nada impossível.

____________________________________________________

I APOLOGIA DE JUSTINO DE ROMA
Fonte: Padres Apostólicos – São Paulo, 1995. – Coleção Patrística.
Introdução e Notas Explicativas: Roque Frangiotti.
Tradução: Ivo Storniolo, Euclides M. Balancin.

        A teoria espírita ensina que a vida continua; que a palavra imortal deve ser tomada no sentido etimológico, exprimindo o que não morre. A continuidade do ser não é então mais do que um efeito natural de causas presentes. Desse modo, o inquérito em busca de uma crença na existência de órgãos_espirituais e faculdades da compleição humana, manifestando sempre o seu trabalho na vida terrena e formando a base da vida comum a este e ao seguinte estado do ser, torna-se um processo estritamente científico e experimental, jogando com as mais delicadas e recônditas partes da ciência fisiológica, ou com os desenvolvimentos psicofisiológicos da nossa natureza mista. É por terem confundido o fato de uma vida futura com as questões especulativas teológicas e religiosas que chegaram à conclusão de ser esse fato colocado fora das raias de verificação científica.
        Há pessoas piedosas que declaram que, a não ser pela autoridade da Bíblia, não têm motivos para crer em Deus e na vida futura. Sobre isso, John Page Hopps observa eloquentemente:

  • “O que poderá dizer ao povo, que só concebe a vida futura como a restauração de um corpo_dissolvido, aquele que, sem refletir e dirigido por inculto instinto animal, despreza com zombaria a asserção de ser o Espírito uma realidade maior que o corpo, ou que nos diz que só crê na imortalidade porque ela se acha consignada nos textos da Bíblia, livro que não é infalível? Pouco importa que o povo seja bom, fervoroso ou cultivado em outros sentidos; suas ideias relativamente ao Espírito e à vida_espiritual mostram que nesse tremendo assunto eles não são mais do que meninos... A primeira coisa a fazer-se é colocar toda a questão fora da região do mistério, da falsidade, da fantasia e do temor, e chamá-la para a do frio raciocínio e, se for possível, para a experimentação científica.”

        é isso precisamente o que a Inteligência, que se manifesta pelos chamados fenômenos espirituais, parece incitar-nos a fazer.

  • “O Espiritismo – disse o falecido Dr. Hallock – não é um problema novo que deva surpreender os discípulos da Ciência; através de todas as idades ele bateu à porta de todos os pensadores, pedindo uma solução. Em falta desta, o pensamento popular, mal dirigido por uma teologia completamente cega e caduca, envolveu numa mortalha a imortalidade de sua própria crença e converteu-a em um espantalho, transformando a mais bela e sublime operação, pela qual a Humanidade é glorificada, em um horrível esqueleto a que deram o nome de morte, fazendo dela o objeto do mais profundo horror. Competia à Ciência despojar desses andrajos o Espírito imortal. Por que não o fez?”

        Os fatos que têm sido corroborados de forma concludente pelos fenômenos do sonambulismo, mesmerismo e Espiritualismo foram, nos últimos cem anos, olhados como demonstração da crença, persistente entre todas as raças de homens, em todas as épocas, de que, apesar da dissolução do seu invólucro físico, o homem individual, com todas as faculdades da sua natureza mental, moral e emocional, sobrevive e, em condições apropriadas, pode_dar_provas_de_sua_sobrevivência_àqueles_que_deixou_na_Terra. Todas as teorias genésicas da crença na imortalidade, que não admitirem, como um fator importante original, um conhecimento obtido, pelo método experimental, dos fenômenos atuais, objetivos e subjetivos, são defeituosas e ilusórias.

[97 - páginas 37/38]   ---   Epes Sargent (1813-1880)

      Como nos dias precedentes à vinda do Filho do homem, assim agora se anuncia a aurora vinda do Alto:

  • Em vez do fanatismo insensato e do ignorante farisaísmo, tereis uma religião_racional, de mais amplas ideias concernentes a Deus, tereis noções mais exatas sobre os vossos deveres e sobre o vosso destino;
  • sabereis que aqueles a quem chamais mortos estão vivos ao redor de vós; vivendo mais realmente do que na Terra, ocupando-se de vós com amor que não diminui; animados em sua infatigável relação convosco, da mesma afeição que vos testemunhavam enquanto estavam ainda na carne.

        Disse-se que o Cristo havia posto às claras a vida e a imortalidade. É verdade no sentido mais lato, e os homens começam apenas a perceber o resultado da revelação do Cristo, que é a abolição da morte, a demonstração da imortalidade. O homem nunca morre, não poderia morrer, ainda que quisesse.
        A imortalidade do homem, admitida não como artigo de fé, mas como resultado da experiência pessoal, é a base da abóbada da
religião_futura. Nela estão todas as grandes verdades que ensinamos, ...

  • as mais nobres concepções do dever,
  • as mais vastas perspectivas do destino,
  • as mais verdadeiras realizações da vida.

        Não podeis atingi-la ainda. O vosso espírito, por deslumbrado e perturbado, não lhe poderia suportar o esplendor. Mas, crede, amigo, bem curto espaço de tempo vos separa do momento em que reconhecereis em nossas palavras os traços da verdade, o aspecto do divino.

[108 - página 158 / 159]   ---   Médium: William Stainton Moses (1839 - 1892)

“Não existe outra explicação racional dos fatos senão a hipótese da sobrevivência da alma; as provas cumulativas, que convergem em seu favor, são por tal forma peremptórias que não trepido em declará-las em tudo equivalentes, senão mesmo superiores, àquelas que confirmam a teoria da evolução.” (Contacts with the other world, página 328.)

James Hervey Hyslop

[105 - página 51]    ---     Ernesto Bozzano (1862 - 1943)

II  TIMÓTEO [1]

  • 1 Paulo, apóstolo de Cristo Jesus pela vontade de Deus, segundo a promessa da vida que está em Cristo Jesus,
  • 2 a Timóteo, amado filho: Graça, misericórdia e paz da parte de Deus Pai e de Cristo Jesus nosso Senhor.
  • 3 Dou graças a Deus, a quem desde os meus antepassados sirvo com uma consciência pura, de que sem cessar faço menção de ti em minhas súplicas de noite e de dia;
  • 4 e, recordando-me das tuas lágrimas, desejo muito ver-te, para me encher de gozo;
  • 5 trazendo à memória a não fingida que há em ti, a qual habitou primeiro em tua avó Loide, e em tua mãe Eunice e estou certo de que também habita em ti.
  • 6 Por esta razão te lembro que despertes o dom de Deus, que há em ti pela imposição das minhas mãos.
  • 7 Porque Deus não nos deu o espírito de covardia, mas de poder, de amor e de moderação.
  • 8 Portanto não te envergonhes do testemunho de nosso Senhor, nem de mim, que sou prisioneiro seu; antes participa comigo dos sofrimentos do evangelho segundo o poder de Deus,
  • 9 que nos salvou, e chamou com uma santa vocação, não segundo as nossas obras, mas segundo o seu próprio propósito e a graça que nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos eternos,
  • 10 e que agora se manifestou pelo aparecimento de nosso Salvador Cristo Jesus, o qual...
    • destruiu a morte e trouxe à luz a vida
    • e a imortalidade pelo evangelho,
  • 11 do qual fui constituído pregador, apóstolo e mestre.

     

PESQUISAS CIENTÍFICAS SOBRE A IMORTALIDADE DA ALMA

  • 1 – Sensitivos e alguns de seus pesquisadores dos fenômenos de materialização.

  • 2 – Paises pesquisadores da imortalidade:

    • a) Inglaterra e Estados Unidos

    • b) França

    • c) Alemanha

    • d) Itália

    • e) Outros Países

Álvaro Chrispino

http://www.espirito.org.br/portal/artigos/diversos/ciencia/pesquisas-cientificas.html

        Além do tempo e do espaço:

        Lanza é um especialista em medicina regenerativa e diretor científico da Advanced Cell Technology Company. No passado ficou conhecido por sua extensa pesquisa com células-tronco e também por várias experiências bem sucedidas sobre clonagem de espécies animais ameaçadas de extinção.
        Mas não há muito tempo, o cientista se envolveu com física, mecânica quântica e astrofísica. Esta mistura explosiva deu à luz a nova teoria do biocentrismo que vem pregando desde então. O biocentrismo ensina que a vida e a consciência são fundamentais para o universo.
        É a consciência que cria o universo material e não o contrário.
        Lanza aponta para a estrutura do próprio universo e diz que as leis, forças e constantes variações do universo parecem ser afinadas para a vida, ou seja, a inteligência que existia antes importa muito. Ele também afirma que o espaço e o tempo não são objetos ou coisas mas sim ferramentas de nosso entendimento animal. Lanza diz que carregamos o espaço e o tempo em torno de nós “como tartarugas”, o que significa que quando a casca sai, espaço e tempo ainda existem.
        A teoria sugere que a morte da consciência simplesmente não existe. Ele só existe como um pensamento porque as pessoas se identificam com o seu corpo. Eles acreditam que o corpo vai morrer mais cedo ou mais tarde, pensando que a sua consciência vai desaparecer também. Se o corpo gera a consciência então a consciência morre quando o corpo morre. Mas se o corpo recebe a consciência da mesma forma que uma caixa de tv a cabo recebe sinais de satélite então é claro que a consciência não termina com a morte do veículo físico. Na verdade a consciência existe fora das restrições de tempo e espaço. Ele é capaz de estar em qualquer lugar: no corpo humano e no exterior de si mesma. Em outras palavras é não-local, no mesmo sentido que os objetos quânticos são não-local.
        Lanza também acredita que múltiplos universos podem existir simultaneamente. Em um universo o corpo pode estar morto e em outro continua a existir, absorvendo consciência que migraram para este universo. Isto significa que uma pessoa morta enquanto viaja através do mesmo túnel acaba não no inferno ou no céu, mas em um mundo semelhante a ele ou ela que foi habitado, mas desta vez vivo. E assim por diante, infinitamente, quase como um efeito cósmico vida após a morte.

http://umaincertaantropologia.org/2014/09/14/cientistas-comprovam-a-reencarnacao-humana-duniverso/

        Muitos cientistas pesquisaram e reconheceram a autenticidade dos fenômenos espíritas. (Ver: Grandes cientistas)

  • Na Inglaterra, os mais importantes foram Frederick William Henry Myers, fundador da Sociedade para a Pesquisa Psíquica; os físicos William_Crookes e Oliver Lodge e o biólogo Alfred Russell Wallace

  • Na França, além de Kardec, destacaram-se Camille Flammarion e o fisiólogo Charles Richet

  • na Itália, o criminólogo Cesare Lombroso e o astrônomo Giovanni Schiaparelli

  • na Alemanha, o astrofísico Karl Friedrich Zöllner e o médico Albert von Schrenck-Notzing.

http://www.savage.tur.br/espiritismo_novo.htm

 

LINKs:

 

Ver também:

 

Crianças e Adolescentes

DESAPARECIDOS