Página acima: Perispírito
Natureza do perispírito

--

        O perispírito, ou corpo fluídico dos Espíritos, é um dos mais importantes produtos do fluido cósmico; é uma condensação desse fluido em torno de um foco de inteligência ou alma

        O corpo perispirítico e o corpo carnal têm pois origem no mesmo elemento primitivo; ambos são matéria, ainda que em dois estados diferentes. 

A Gênese - Allan Kardec  [38 - capítulo XIV  página 277 item 7 ]

O fluido_universal, onde se contém o principio_da_vida, é o agente principal das manifestações, agente que recebe impulsão do Espírito, seja encarnado, seja errante

Condensado, esse fluido constitui o perispírito, ou invólucro semimaterial do Espírito.

[17b - página 100 item 75] 

       O perispírito, formado por substâncias químicas que transcendem a série_estequiogenética conhecida até agora pela ciência terrena, é aparelhagem de matéria_rarefeita, alterando-se, de acordo com o padrão_vibratório do campo interno.

        Organismo delicado, com extremo poder_plástico, modifica-se sob o comando do pensamento. É necessário, porém, acentuar que o poder apenas existe onde prevaleçam a agilidade e a habilitação que só a experiência consegue conferir.

        Nas mentes primitivas, ignorantes e ociosas, semelhante vestidura se caracteriza pela feição pastosa, verdadeira continuação do corpo físico, ainda animalizado ou enfermiço.

        O progresso mental é o grande doador de renovação ao equipamento do espírito em qualquer plano de evolução.

[10 - página 31] - Emmanuel 1952

(Ver: Matéria PSI  e  Evolução e Corpo espiritual)

Constituído à base de princípios químicos semelhantes, em suas propriedades, ao hidrogênio, a se expressarem através de moléculas significativamente distanciadas umas das outras.

 

(Ver: Restringimento)


[4 - páginas 232] - André Luiz

"O nosso envoltório_fluídico, mais imponderável e mais sutil do que o mais sutil e o mais imponderável dos vossos gases, com uma propriedade_de_expansão e de penetrabilidade inapreciável para os vossos sentidos grosseiros e quase inexplicável para vós ..."

 

Espírito ERASTO

[17b - item 236]

  
Ditado espontâneo a propósito de uma discussão que ocorrera, na Sociedade, sobre a natureza do Espírito e do Perispírito. Médium Sr. A. Didier.

          Sim, faltam cor e forma às palavras para exprimir o perispírito e a sua verdadeira natureza; mas há uma coisa certa, é que o que uns chamam perispírito não é outra coisa senão o que outros chamam de envoltório fluídico, material. Quando se discutem semelhantes questões, não são as frases que é preciso procurar, são as palavras.

  • Eu diria, para me fazer compreender de maneira mais lógica, que esse fluido é a perfectibilidade dos sentidos e a extensão da visão e das idéias; falo aqui dos Espíritos elevados.
  • Quanto aos Espíritos_inferiores, os fluidos terrestres são ainda completamente inerentes a eles; portanto, como vedes, é matéria; daí os sofrimentos da fome, do frio, etc., sofrimentos que não podem suportar os Espíritos superiores, tendo em vista que os fluidos terrestres estão depurados ao redor do pensamento, quer dizer, da alma.

          A alma, para o seu progresso, tem sempre necessidade de um agente; a alma sem agente nada é para vós, ou, melhor dizendo, não pode ser concebida por vós. O perispírito, para nós outros Espíritos_errantes, é o agente pelo qual nos comunicamos convosco, seja indiretamente por vosso corpo ou vosso perispírito, seja diretamente pela vossa alma; daí as infinitas nuanças_de_médiuns e de comunicações.

  • Agora resta o ponto de vista científico, quer dizer, a própria essência do perispírito; isto é um outro assunto. Compreendei, primeiro, moralmente; não resta mais que uma discussão sobre a natureza dos fluidos, o que é inexplicável no momento; a ciência não conhece bastante, mas a isso se chegará se a ciência quiser caminhar com o Espiritismo.

LAMENNAIS.

[37 - página 201] - Allan Kardec - Junho/1861 - http://www.espirito.org.br/portal/codificacao/re/1861/06f-dissertacoes.html#perisp

Os cadáveres da matéria, já solidificada e sem vida própria, de formação química, lançados e sustentados nos espaços pela gravitação, inundados de radiações de toda espécie, são apenas o sustentáculo de formas de existência mais altas

[63 - A GRANDE SÍNTESE - Da matéria à vida ]

(Ver: Matéria PSI )

Seriam os chamados fluidos_espirituais próprios de cada planeta, estas partículas subatômicas (partículas alfa, beta e nêutrons) provenientes da desintegração da matéria pela radioatividade, as substâncias absorvidas pelo perispírito, em quantidade e qualidade conforme o seu grau de evolução?

[0]


O perispírito, quanto à forma somática, obedece a leis de gravidade, no plano a que se afina.


[10 - página 33] - Emmanuel 1952

  • A propriedade mais notável da matéria escura é ser feita de partículas que não reagem com radiação. 

  • Gravitacionalmente, a matéria escura se comporta exatamente como a matéria comum.

Revista SCIENTIFIC  AMERICAN - Brasil - Ano 5 - N° 58 - Março/2007, página 37.

 

  • Matéria escura: fundamentalmente exóticas partículas elementares que não interagem com a luz.

Revista SCIENTIFIC  AMERICAN - Brasil - Ediçao Especial - N° 1, página 45.

www.sciam.com.br

 

Estas propriedades da matéria escura são compatíveis com a natureza do perispírito.

[0]

Toda matéria, todas as substâncias semimateriais e todos os fluidos existentes no universo, derivam do fluido cósmico universal.

Portanto, não incorremos em erro quando afirmamos que o perispírito é constituído do fluido cósmico universal. 

Mas, devemos ser mais específicos ao falarmos a respeito do perispírito.

[0]

        Entre esses dois extremos, dão-se inúmeras transformações, mais ou menos aproximadas de um e de outro. Os fluidos mais próximos da materialidade, os menos puros, conseguintemente, compõem o que se pode chamar a atmosfera espiritual da Terra

        É desse meio, onde igualmente vários são os graus de pureza, que os Espíritos encarnados e desencarnados, deste planeta, haurem os elementos necessários à economia de suas existências. 

        Por muito sutis e impalpáveis que nos sejam esses fluidos, não deixam por isso de ser de natureza grosseira, em comparação com os fluidos etéreos das regiões superiores.

        O mesmo se dá na superfície de todos os mundos, salvo as diferenças de constituição e as condições de vitalidade próprias de cada um. Quanto menos material é a vida neles, tanto menos afinidades têm os fluidos espirituais com a matéria propriamente dita.

        Não é rigorosamente exata a qualificação de fluidos espirituais, pois que, em definitiva, eles são sempre matéria mais ou menos quintessenciada

        De realmente espiritual, só a alma ou princípio inteligente. Dá-se-lhes essa denominação por comparação apenas e, sobretudo, pela afinidade que eles guardam com os Espíritos. Pode dizer-se que são a matéria do mundo espiritual, razão por que são chamados fluidos espirituais.

[38 - capítulo XIV  página 276 item 5 ]

        Não conhecemos a natureza íntima do perispírito. Suponhamo-lo, todavia, formado de matéria elétrica, ou de outra tão sutil quanto esta: por que, quando dirigido por uma vontade, não teria propriedade idêntica à daquela matéria?

[17b - página 23]

        Eis aqui a resposta que, sobre este assunto, deu o Espírito Lamennais:

 

        "O que uns chamam perispírito não é senão o que outros chamam envoltório material fluídico.  Direi, de modo mais lógico, para me fazer compreendido, que esse fluido ...

  • para os Espíritos elevados, é a perfectibilidade dos sentidos, a extensão da vista e das ideias. (Ver: Fluido espiritual)

  • Quanto aos Espíritos_inferiores, os fluidos terrestres ainda lhes são de todo inerentes; logo, são, como vedes, matéria. Daí os sofrimentos da fome, do frio, etc., sofrimentos que os Espíritos superiores não podem experimentar, visto que os fluidos terrestres se acham depurados em torno do pensamento, isto é, da alma.

        A alma, para progredir, necessita sempre de um agente; sem agente, ela nada é, para vós, ou, melhor, não a podeis conceber. O perispírito, para nós outros Espíritos_errantes, é o agente por meio do qual nos comunicamos convosco, ... 

  • quer indiretamente, pelo vosso corpo ou pelo vosso perispírito

  • quer diretamente, pela vossa alma; donde, infinitas modalidades de médiuns e de comunicações.

        "Agora o ponto de vista científico, ou seja: a essência mesma do perispírito. Isso é outra questão. Compreendei primeiro moralmente. Resta apenas uma discussão sobre a natureza_dos_fluidos, coisa por ora inexplicável. A ciência ainda não sabe bastante, porém lá chegará, se quiser caminhar com o Espiritismo

  • O perispírito pode variar e mudar ao infinito. 

  • A alma é o pensamento: não muda de natureza. (Ver: Natureza da Alma)

        Não vades mais longe, por este lado; trata-se de um ponto que não pode ser explicado. Supondes que, como vós, também eu não perquiro? Vós pesquisais o perispírito; nós outros, agora, pesquisamos a alma. Esperai, pois." 

Lamennais.

[17b - página 72 item 51] - 1861

        Dissemos que, embora fluídico, o perispírito não deixa de ser uma espécie de matéria, o que decorre do fato das aparições tangíveis, a que volveremos

        Sob a influência de certos médiuns, tem-se visto aparecerem mãos com todas as propriedades de mãos vivas, que, como estas, denotam calor, podem ser palpadas, oferecem a resistência de um corpo sólido, agarram os circunstantes e, de súbito, se dissipam, quais sombras. 

  • A ação inteligente dessas mãos, que evidentemente obedecem a uma vontade, executando certos movimentos, tocando até melodias num instrumento, prova que elas são parte visível de um ser inteligente invisível. 

  • A tangibilidade que revelam, a temperatura, a impressão, em suma, que causam aos sentidos, porquanto se há verificado que deixam marcas na pele, que dão pancadas dolorosas, que acariciam delicadamente, provam que são de uma matéria qualquer. 

  • Seus desaparecimentos repentinos provam, além disso, que essa matéria é eminentemente sutil e se comporta como certas substâncias que podem alternativamente passar do estado sólido ao estado fluídico e vice-versa.

[17b - página 80 item 57]

        No homem,  além da alma e do corpo, há o laço - perispírito - que liga a alma ao corpo. Esse laço é de natureza semimaterial, isto é, de natureza intermédia entre o Espírito e o corpo. É preciso que seja assim para que os dois se possam comunicar um com o outro. Por meio desse laço é que o Espírito atua sobre a matéria e reciprocamente.

[9a - página 104 questão 135]

        O Espírito, propriamente dito, é envolvido por uma substância, vaporosa para os nossos olhos, mas ainda bastante grosseira para os Espíritos; assaz vaporosa, entretanto, para poder elevar-se na atmosfera e transportar-se aonde queira.

[9a - página 85 questão 93]

        Os seres que habitam os diferentes_mundos, é fora de dúvida que têm corpos, porque o Espírito precisa estar revestido de matéria para atuar sobre a matéria. Esse envoltório, porém, é mais ou menos material, conforme o grau de pureza a que chegaram os Espíritos.  É isso o que assinala a diferença entre os mundos que temos de percorrer, porquanto muitas moradas há na casa de nosso Pai, sendo, conseguintemente, de muitos graus essas moradas.  Alguns o sabem e desse fato têm consciência na Terra; com outros, no entanto, o mesmo não se dá.   

[9a - página 125 questão181]

        O perispírito não tem a mesma constituição em todos os Espíritos encarnados ou desencarnados. Sua natureza varia, ...

  • não só de acordo com a evolução moral da alma, 

  • como também, com as condições da região ou do planeta em que estagia.

[1 - página 29]

        A substância do perispírito não é a mesma em todos os mundos. É mais ou menos etérea.

        Passando de um mundo a outro, o Espírito se reveste da matéria própria desse outro, operando-se, porém, essa mudança com a rapidez do relâmpago. 

[9a - página 127 questão 187]

        Por sua natureza e em seu estado normal, o perispírito é invisível e tem isto de comum com uma imensidade de fluidos que sabemos existir, sem que, entretanto, jamais os tenhamos visto. Mas, também, do mesmo modo que alguns desses fluidos, pode ele sofrer modificações que o tornem perceptível à vista, quer por meio de uma espécie_de_condensação, quer por meio de uma mudança na disposição de suas moléculas. Aparece-nos então sob uma forma vaporosa.

        A condensação (preciso é que não se tome esta palavra na sua significação literal; empregamo-la apenas por falta de outra e a título de comparação), dizemos, pode ser tal que o perispírito adquira as propriedades de um corpo sólido e tangível, conservando, porém, a possibilidade de retomar instantaneamente seu estado etéreo e invisível.  Podemos apreender esse efeito, atentando no vapor, que passa do de invisibilidade ao estado brumoso, depois ao estado líquido, em seguida ao sólido e vice-versa.

       Esses diferentes estados do perispírito resultam da vontade do Espírito e não de uma causa física exterior, como se dá com os nossos gases.  Quando o Espírito_nos_aparece, é que pôs o seu perispírito no estado próprio a torná-lo visível.  Mas, para isso, não basta a sua vontade, porquanto a modificação do perispírito se opera mediante sua combinação com o fluido_peculiar_ao_médium.  Ora, esta combinação nem sempre é possível, o que explica não ser generalizada a visibilidade dos Espíritos.

        Assim, não basta que o Espírito queira mostrar-se; não basta tão pouco que uma pessoa queira vê-lo; é necessário que os dois fluidos possam combinar-se, que entre eles haja uma espécie de afinidade e também, porventura, que a emissão do fluido da pessoa seja suficientemente abundante para operar a transformação do perispírito e, provavelmente, que se verifiquem ainda outras condições que desconhecemos. É necessário, enfim, que o Espírito tenha a permissão de se fazer visível a tal pessoa, o que nem sempre lhe é concedido, ou só o é em certas circunstâncias, por motivos que não podemos apreciar.

[17b - página 142 item 105]

      A natureza do envoltório fluídico está sempre em relação com o grau de adiantamento moral do Espírito. Os Espíritos_inferiores não podem mudar de envoltório a seu bel-prazer, pelo que não podem passar, a vontade, de um mundo_espiritual para outro. Alguns há, portanto, cujo envoltório fluídico, se bem que etéreo e imponderável com relação à matéria tangível, ainda é por demais pesado, se assim nos podemos exprimir, com relação ao mundo espiritual, para não permitir que eles saiam do meio que lhes é próprio. Nessa categoria se devem incluir aqueles cujo perispírito é tão grosseiro, que eles o confundem com o corpo carnal, razão por que continuam a crer-se vivos. 

  • Esses Espíritos, cujo número é avultado, permanecem na superfície da Terra, como os encarnados, julgando-se entregues às suas ocupações terrenas. 

  • Outros um pouco mais desmaterializados não o são, contudo, suficientemente, para se elevarem acima das regiões terrestres. (Ver: Perispírito depois da morte )

        Os Espíritos_superiores, ao contrário, podem vir aos mundos inferiores, e, até, encarnar neles. Tiram, dos elementos constitutivos do mundo onde entram, os materiais para a formação do envoltório_fluídico ou carnal apropriado ao meio em que se encontrem. Fazem como o lie que despe temporariamente suas vestes, para envergar os trajes plebeus, sem deixar por isso de ser nobre.

        É assim que os Espíritos da categoria mais elevada podem manifestar-se aos habitantes da Terra ou encarnar em missão entre estes. Tais Espíritos trazem consigo, não o invólucro, mas a lembrança, por intuição, das regiões donde vieram e que, em pensamento, eles vêem. São videntes entre cegos.

A Gênese - Allan Kardec  [38 - capítulo XIV  página 278  item 9 ]

        Os Espíritos chamados a viver num determinado meio tiram dele seus perispíritos; porém, conforme seja mais ou menos depurado o Espírito, seu perispírito se formará das partes mais puras ou das mais grosseiras do fluido peculiar ao mundo onde ele encarna. O Espírito produz aí, sempre por comparação e não por assimilação, o efeito de um reativo químico que atrai a si as moléculas que a sua natureza pode assimilar.

        Resulta disso este fato capital:  

  • a constituição íntima do perispírito não é idêntica em todos os Espíritos encarnados ou desencarnados que povoam a Terra ou o espaço que a circunda. 

  • O mesmo já não se dá com o corpo carnal, que, como foi demonstrado, se forma dos mesmos elementos, qualquer que seja a superioridade ou a inferioridade do Espírito. 

        Por isso, em todos, são os mesmos os efeitos que o corpo produz, semelhantes as necessidades, ao passo que diferem em tudo o que respeita ao perispírito.

        Também resulta que: o envoltório perispirístico de um Espírito se modifica com o progresso_moral que este realiza em cada encarnação, embora ele encarne no mesmo meio; que os Espíritos superiores, encarnando excepcionalmente, em missão, num mundo inferior, têm perispírito menos grosseiro do que o dos indígenas desse mundo.

A Gênese - Allan Kardec  [38  cap. XIV  página279  Item 10 ]

        Do meio onde se encontra é que o Espírito extrai o seu perispírito, isto é, esse envoltório ele o forma dos fluidos ambientes. Resulta daí que os elementos constitutivos do perispírito naturalmente variam, conforme os mundos. Dando-se Júpiter como orbe muito adiantado em comparação com a Terra, como um orbe onde a vida corpórea não apresenta a materialidade da nossa, os envoltórios perispirituais hão de ser lá de natureza muito mais quintessenciada do que aqui. Ora, assim como não poderíamos existir naquele mundo com o nosso corpo_carnal, também os nossos Espíritos não poderiam nele penetrar com o perispírito terrestre que os reveste. Emigrando da Terra, o Espírito deixa aí o seu invólucro fluídico e toma outro apropriado ao mundo onde vai habitar.

A Gênese - Allan Kardec  [38 - capítulo XIV página 277 item 8 ]

Ver também:

 

Crianças e Adolescentes

DESAPARECIDOS