Tabela da série estequiogenética

Página acima

(Conforme "A GRANDE SÍNTESE" - em 1937)

Série

Isovalências

periódicas

Número

Atômico

Peso

atômico

Elementos

   

S1

 

O

I

II

III

IV

V

VI

VII

1

2

3

4

5

6

7

8

9

1,008

4,0

6,94

9,1

11,0

12,005

14,01

16,01

19,0

Hidrogênio (Ver: Enciclopédia)

Hélio (Ver: Luz e Calor)

Lítio

Berílio

Boro

Carbono

Nitrogênio

Oxigênio

Flúor

H

-

Li

-

Bo

C

N

O

Fl

(A)

-

(B)

-

(B)

(A)

(A)

(A)

(B)

S2

O

I

II

III

IV

V

VI

VII

10

11

12

13

14

15

16

17

20,0

23,0

24,32

27,1

28,3

31,4

32,6

35,46

Neônio

Sódio

Magnésio 

Alumínio

Silício

Fósforo

Enxofre

Cloro

-

Na

Mg

Al

Si

P

S

Cl

-

(B)

(B)

(B)

(B)

(B)

(B)

(B)

S3

O

I

II

III

IV

V

VI

VII

18

19

20

21

22

23

24

25

38,88

39,10

40,07

44,1

48,1

51,0

52,0

54,93

Argônio

Potássio

Cálcio

Escândio

Titânio

Vanádio

Crômio

Manganês

Ferro

Cobalto

Níquel

Cobre

Zinco

Gálio

Germânio

Arsênio

Selênio

Bromo

-

K

Ca

-

-

-

-

Mn

Fe

Co

-

Cu

Zn

-

-

As

Se

Br

-

(B)

(B)

-

-

-

-

(B)

(B)

(B)

(B)

(C)

(C)

-

-

(C)

(D)

(C)

--

--

--

26

27

28

55,84

57,97

58,68

I

II

III

IV

V

VI

VII

29

30

31

32

33

34

35

63,57

65,37

69,9

72,5

74,96

78,96

79,92

S4

O

I

II

III

IV

V

VI

VII

36

37

38

39

40

41

42

43

82,92

85,45

87,63

88,7

90,6

93,5

96,0

--

Criptônio

Rubídio

Estrôncio

Ítrio

Zircônio

Nióbio

Molibdênio

--

Rutênio

Ródio

Paládio

Prata

Cádmio

Índio

Estanho

Antimônio

Telúrio

Iodo

-

Ru

Sr

-

-

-

-

-

-

-

-

Ag

-

-

Sn

Sb

Te

I

-

(C)

(C)

-

-

-

-

-

-

-

-

(D)

-

-

(D)

(D)

(D)

(C)

--

--

--

44

45

46

101,7

102,9

106,7

I

II

III

IV

V

VI

VII

47

48

49

50

51

52

53

107,88

112,40

114,8

118,7

120,2

127,5

126,92

S5

O

I

II

III

IV

V

VI

VII

54

55

56

57

58

59

60

61

130,2

132,81

137,37

139,0

140,25

140,9

144,3

--

Xenônio

Césio

Bário

Lantânio

Cério

Praseodímio

Neodímio

--

Samário

Európio

Gadolínio

Térbio

Disprósio

Hólmio

Érbio

-

-

Ba

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

(C)

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

I

II

III

IV

V

VI

VII

62

63

64

65

66

67

68

150,4

152,0

157,3

159,2

162,5

163,5

167,7

S6

I

II

III

IV

V

VI

VII

69

70

71

72

73

74

75

168,5

173,5

175,0

--

181,5

184,0

--

Túlio

Itérbio

Lutécio

--

Tântalo

Tungstênio

--

Ósmio

Irídio

Platina

Ouro

Mercúrio

Tálio

Chumbo

Bismuto

Polônio

--

-

-

-

-

-

-

-

-

-

Pl

Au

Hg

-

Pb

-

Po

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

(D)

(D)

(D)

-

(D)

-

(E)

-

--

--

--

76

77

78

190,9

193,1

195,2

I

II

III

IV

V

VI

VII

79

80

81

82

83

84

85

197,2

200,6

204,0

207,2

208,0

210,0

--

S7

I

II

III

IV

V

VI

VII

86

87

88

89

90

91

92

222,4

--

226,0

228,4

232,4

234,5

238,2

Radônio

--

Rádio

Actínio

Tório

Protactínio

URÂNIO

-

-

Ra

-

Th

-

U

-

-

(E)

-

(E)

-

(E)


[63 - A GRANDE SÍNTESE - A Série das Individuações Químicas do H ao U ]

        A Química necessita apresentar essa divisão de elementos para a catalogação dos valores educativos, com vistas às investigações de natureza científica, no mundo; contudo, se na sua base estão os átomos, na mais vasta expressão de diversidade, mesmo assim tenderá sempre para a unidade substancial, em remontando com as verdades espirituais às suas fontes de origem.

        Aliás, em se tratando das individuações químicas, já conheceis que o hidrogênio, no quadro dos conhecimentos terrestres, é o elemento mais simples de todos. Seu átomo é a forma_primordial_da_matéria planetária, constituindo-se do sistema absolutamente simplificado, porque composto de um só elétron, de onde partem as demais individuações no mecanismo_evolutivo_da_matéria, em suas expressões rudimentares.

[41a - página 25] - Emmanuel - 1940

(Ver: Nebulosas)

 

1 2 Clique no símbolo de um elemento
para maiores informações:
13 14 15 16 17 18

1

1
H

 

  2
He

2

3
Li
4
Be
Massas atômicas referidas ao isótopo 12 do carbono (12C) 5
B
6
C
7
N
8
O
9
F
10
Ne

MERCK -  Menu principal

3

11
Na
12
Mg

 

  13
Al
14
Si
15
P
16
S
17
Cl
18
Ar
3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

4

19
K
20
Ca
21
Sc
22
Ti
23
V
24
Cr
25
Mn
26
Fe
27
Co
28
Ni
29
Cu
30
Zn
31
Ga
32
Ge
33
As
34
Se
35
Br
36
Kr

5

37
Rb
38
Sr
39
Y
40
Zr
41
Nb
42
Mo
43
Tc
44
Ru
45
Rh
46
Pd
47
Ag
48
Cd
49
In
50
Sn
51
Sb
52
Te
53
I
54
Xe

6

55
Cs
56
Ba

*
72
Hf
73
Ta
74
W
75
Re
76
Os
77
Ir
78
Pt
79
Au
80
Hg
81
Tl
82
Pb
83
Bi
84
Po
85
At
86
Rn

7

87
Fr
88
Ra

**
104
Rf
105
Db
106
Sg
107
Bh
108
Hs
109
Mt
110
Uun
111
Uuu
112
Uub

tptransp.GIF (3876 bytes)

 

 

Série dos
Lantanídeos


*
57
La
58
Ce
59
Pr
60
Nd
61
Pm
62
Sm
63
Eu
64
Gd
65
Tb
66
Dy
67
Ho
68
Er
69
Tm
70
Yb
71
Lu

Série dos
Actinídeos


**
89
Ac
90
Th
91
Pa
92
U
93
Np
94
Pu
95
Am
96
Cm
97
Bk
98
Cf
99
Es
100
Fm
101
Md
102
No
103
Lr

MERCK - S.A. Indústrias Químicas - Brasil

http://www2.merck.com.br/quimica/tpie/tab_fr.htm  

1
H

Sólido

Líquido

Gás

Sintético

2
He

3
Li

4
Be

 

5
B

6
C

7
N

8
O

9
F

10
Ne

11
Na

12
Mg

13
Al

14
Si

15
P

16
S

17
Cl

18
Ar


19
K


20
Ca


21
Sc


22
Ti


23
V


24
Cr


25
Mn


26
Fe


27
Co


28
Ni


29
Cu


30
Zn


31
Ga


32
Ge


33
As


34
Se


35
Br


36
Kr

37
Rb

38
Sr

39
Y

40
Zr

41
Nb

42
Mo

43
Tc

44
Ru

45
Rh

46
Pd

47
Ag

48
Cd

49
In

50
Sn

51
Sb

52
Te

53
I

54
Xe

55
Cs

56
Ba

57
La *

72
Hf

73
Ta

74
W

75
Re

76
Os

77
Ir

78
Pt

79
Au

80
Hg

81
Tl

82
Pb

83
Bi

84
Po

85
At

86
Rn

87
Fr

88
Ra

89
Ac **

104
Rf

105
Db

106
Sg

107
Bh

108
Hs

109
Mt

110
Uun

111
Uuu

112
Uub

113
Uut

114
Uuq

116
Uuh

118
Uuo

*Lantanídeos    

58
Ce

59
Pr

60
Nd

61
Pm

62
Sm

63
Eu

64
Gd

65
Tb

66
Dy

67
Ho

68
Er

69
Tm

70
Yb

71
Lu

**Actínideos    

90
Th

91
Pa

92
U

93
Np

94
Pu

95
Am

96
Cm

97
Bk

98
Cf

99
Es

100
Fm

101
Md

102
No

103
Lr

http://site.ifrance.com/okapi/tabela_periodica1p.htm

     

LINKs:

http://feiradeciencias.com/TabelaPeriodica/en/tabper.htm  (muito bom)

http://www.cdcc.sc.usp.br/quimica/tabelaperiodica/tabelaperiodica1.htm (muito bom)

http://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_elementos_por_ordem_alfabética 

CORPOS FUNDAMENTAIS DA VIDA

  • (A)

    Corpos fundamentais da vida: Hidrogênio, Carbono, Nitrogênio e Oxigênio

      (Ver: Gênese da vida e Corpo físico)

  • (B)

    Vêm depois os corpos sucedâneos dos fundamentais, que podem substituí-los parcialmente e são aceitos em doses moderadas. Seu peso atômico não ultrapassa 60, e temos em ordem de peso atômico: Lítio; Boro; Flúor; Sódio; Magnésio; Silício; Fósforo; Enxofre; Cloro; Potássio; Cálcio; Alumínio; Manganês; Ferro; Níquel; Cobalto.


  • (C)

    Seguem-se os corpos que, mesmo entrando para fazer parte da vida orgânica, não são aceitos senão em doses pequeníssimas. Seu peso atômico não ultrapassa 137 e, de acordo com seu peso, estão na seguinte ordem:  Cobre; Zinco; Arsênico; Bromo; Rubídio; Estrôncio; Iodo; Bário.


  • (D)

    Se continuarmos ainda a subir até os mais altos graus na escala dos pesos atômicos, verificaremos que os corpos que aí encontramos normalmente não se encontram nos organismos e, se têm ingresso no ciclo vital, só são tolerados em doses mínimas (isto é fundamental também em seu uso terapêutico). Temos: Selênio; Prata; Estanho; Antimônio; Telúrio; Platina; Ouro; Mercúrio; Chumbo.


  •  (E)

    Chegamos, enfim, aos pesos atômicos máximos dos corpos radioativos, utilizáveis terapeuticamente pelo dinamismo de suas radiações, mas sem propriedades biológicas intrínsecas. A instabilidade de seu equilíbrio interior representa um sistema atômico em desfazimento, que foge para as formas dinâmicas e é o menos apto para ser retomado nas coordenações cinéticas de ordem mais complexa. A emanação eletrônica desses corpos, embora possa excitar, no átomo, a aptidão para entrar no ciclo vital, fica sempre por fora dele. Para poder penetrá-lo, tem que primeiro atravessar toda a maturação das formas dinâmicas, até o máximo de degradação. Temos, pois: Polônio, Rádio, Tório, urânio, ou seja, os corpos de sistema atômico mais complexo com órbitas mais numerosas, os mais resistentes a qualquer penetração cinética; justamente porque essas órbitas são lançadas e abrem-se na periferia, em direção exatamente contrária ao trem superveniente de radiações elétricas de onda degradada. 

[63 - A GRANDE SíNTESE - A teoria cinética da gênese da vida]

Ver também:


Crianças e Adolescentes

DESAPARECIDOS