Página acima: Via Lactea
Planetas no universo - Exoplanetas

--

Sonda da NASA descobre 715 novos mundos!




O Telescópio espacial Kepler, da NASA, descobriu mais de 700 novos exoplanetas, quase dobrando o número atual de mundos alienígenas confirmados.

Os 715 planetas recém-descobertos, que os cientistas anunciaram hoje (26 de fevereiro de 2014), aumentam o total de registros de mundos alienígenas para 1.800.

O telescópio espacial Kepler é responsável por mais da metade destes achados, descobrindo 961 exoplanetas até agora, com mais milhares de candidatos aguardando a confirmação através de investigações de acompanhamento.

“Esta é a maior descoberta de planetas já confirmados anunciados de uma só vez”, disse Douglas Hudgins, da Divisão de Astrofísica da NASA, em Washington.

Cerca de 94% desses novos mundos alienígenas são menores que Netuno, segundo os pesquisadores, reforçando ainda mais as observações anteriores que sugeriam que a nossa galáxia, a Via Láctea, está repleta de planetas rochosos como a Terra.

A maioria dos 715 exoplanetas estão perto de suas estrelas-mãe, tornando-se quentes demais para suportar a vida como a conhecemos. Mas quatro dos mundos são inferiores a 2,5 vezes o tamanho da Terra e estão na “zona habitável”, a faixa que apresenta a temperatura ideal para a existência de água líquida na superfície de um planeta.

Todos os 715 planetas residem em sistemas multiplanetários, assim como a Terra. Tomados em conjunto, os novos planetas orbitam um total de 305 estrelas.

Os estudos que detalham a descoberta dos 715 mundos alienígenas serão publicados no dia 10 de março no The Astrophyiscal Journal. [Space]


Leia mais em http://misteriosdomundo.com/sonda-da-nasa-descobre-715-novos-mundos#ixzz2uTW0MG1R

EXOPLANETAS HABITÁVEIS - KEPLER 22-B
Exoplaneta com potencial para abrigar vida devido sua distância à estrela-mãe.

          Tem este nome devido o nome da missão com o telescópio espacial Kepler, nome dado em homenagem ao astrônomo alemão Johannes Kepler (século XVI), conhecido por ter formulado as três leis fundamentais da mecânica celeste, conhecidas como Leis de Kepler. Este planeta extra-solar foi o primeiro descoberto numa zona habitável, talvez o mais conhecido pela grande divulgação. A descoberta foi anunciada em 5 de dezembro de 2011. Tem 2,4 vezes o raio da Terra e orbita a estrela Kepler-22 a cada 289 dias. Até agora, sua massa e a composição de sua superfície permanecem desconhecidas. Se o planeta tiver uma densidade semelhante à da Terra, então a massa será de aproximadamente 13,8 Terras, enquanto sua gravidade na superfície será de 2,4 vezes a da Terra. A distância de Kepler-22b para sua estrela é cerca de 15% menor que a distância da Terra ao Sol, a estrela Kepler brilha 25% menos que o nosso Sol. Na concepção acima é possível ver a zona habitável em verde e a localização de Kepler 22-b em relação à zona habitável do nosso Sistema_Solar. Kepler 22-b situa-se na constelação de Signus à 600 anos-luz da Terra.

https://plus.google.com/u/0/explore

Hubble identifica o planeta mais velho do Universo.

O telescópio espacial Hubble mediu com precisão a massa do mais velho planeta conhecido na nossa Via Láctea. Com idade estimada em 13 bilhões de anos, o planeta é duas vezes mais velho que a Terra (4,5 bilhões de anos). Ele se formou em torno de uma estrela parecida com o sol apenas 1 bilhão de anos depois do Big Bang.O idoso planeta teve uma história memorável, porque ele mora em uma improvável e acidentada vizinhança. Ele órbita um peculiar par de estrelas mortas no lotado núcleo de um aglomerado de mais de 100 mil estrelas. A nova descoberta do Hubble fecha uma década de especulações e debates sobre a identidade desse planeta antigo. Até a medição do Hubble, astrônomos desconfiavam da identidade do objeto: seria um planeta ou uma anã-marrom?
A análise dos dados do Hubble mostram que o objeto tem 2,5 vezes a massa de Júpiter, confirmando se tratar de planeta. Sua existência oferece evidências indiscutíveis de que os primeiros planetas formaram-se rapidamente, em um período de 1 bilhão de anos após o Big Bang, levando os astrônomos a concluir que os planetas podem ser muito abundantes em nossa galáxia.

http://www.sofisica.com/astrofisica2.html 

        Pelo menos, enquanto perdurar a atitude de confusão, de egoísmo e rebeldia, a humanidade terrestre não deve alimentar qualquer projeto de viagem inter­planetária.

  • Que dizermos do homem que, sem dispor a ordem na sua própria casa, quisesse invadir a residência dos vizinhos?
  • Se tantas vezes as criaturas terrestres têm menosprezado os bens que a Providência Divina lhes colocou nas mãos, não seria justo circunscrevê-las ao seu âmbito acanhado e mesquinho?

        O insulamento da Terra é um bem inapreciável.

        Observemos as expressões do progresso_humano, movimentadas para a guerra e para a destruição, nos triunfos da força, e rendamos louvores ao Pai Celestial por não haver dilatado no orbe terreno os processos de observação das suas vaidosas criaturas.

[41a - página 57] - Emmanuel - 1940

O telescópio está investigando estrelas na constelação Taurus

O telescópio Spitzer, da Nasa, encontrou provas da existência de um planeta que pode ter menos de um milhão de anos e seria, assim, o mais jovem da galáxia.

O observatório espacial infra-vermelho estudou cinco estrelas na constelação Taurus, a cerca de 420 anos-luz de distância.

Todas tinham discos de poeira à sua volta, nos quais, acredita-se, novos planetas estão se formando.

O Spitzer viu uma clareira no disco em volta da estrela CoKu Tau 4 que pode ter sido conseqüência da formação de um novo mundo.

        O telescópio detectou quantidades significativas de material orgânico gelado pulverizado nessas "zonas de construção planetárias".

        Esse material - partículas de poeira geladas, cobertas com água, metanol e dióxido de carbono - podem ajudar a explicar a origem de corpos gelados como cometas, segundo a Nasa.

        Cientistas acreditam que esses cometas podem ter depositado na Terra água e muitos outros elementos químicos, que se tornaram base para o aparecimento da vida na Terra.

http://www.iuup.com/news.php?cod=444

http://www.bbc.co.uk/portuguese/ciencia/story/2004/05/040528_planetadtl.shtml 

 

(Ver: Origem da água na Terra)

Quantos planetas exitem? Essa estatística ainda não está definitivamente consolidada, mas se o Sistema Solar servir de paradigma, podemos imaginar que apenas na nossa galáxia poderiam existir da ordem de meio trilhão de planetas.

Revista SCIENTIFIC AMERICAM BRASIL - Agosto 2009 - página 78

Astrônomos usando o Hubble Space Telescope da NASA confirmaram a existência de um objeto cozido que poderia ser chamado de planeta "cometas". O planeta gigante gasoso, chamado HD 209458b, está orbitando muito perto da sua estrela que a sua atmosfera aquecida é escapar para o espaço.

Observações feitas com o Hubble Cosmic Origins Spectrograph (COS) sugerem poderosos ventos estelares estão varrendo o cast-off material atmosférica do planeta atrás de queimada e moldando -o em uma cauda de cometa.

"Desde 2003, os cientistas teorizaram que a perda de massa está sendo empurrado para trás em um rabo, e eles têm mesmo calculado o que parece", disse Jeffrey Linsky astrônomo da Universidade do Colorado em Boulder, líder do estudo COS. "Nós pensamos que temos a melhor evidência observacional para apoiar essa teoria. Medimos vinda do gás para fora do planeta em velocidades específicas, alguns chegando para a Terra. A interpretação mais provável é que nós medimos a velocidade do material em um rabo. "

O planeta, localizado a 153 anos-luz da Terra, pesa um pouco menos do que Júpiter, mas as órbitas de 100 vezes mais perto de sua estrela do que o gigante Júpiter. O assado zips planeta em torno de sua estrela em 3,5 dias a uma curta. Em contraste, o mais rápido planeta do nosso sistema solar, Mercúrio orbita o Sol em 88 dias. O planeta extra-solar é um dos mais intensamente investigados, porque é o primeiro dos poucos conhecidos mundos alienígenas que podem ser vistos passando em frente, ou em trânsito, a sua estrela. Linsky e sua equipe usaram COS para analisar a atmosfera do planeta durante os eventos em trânsito. Durante o trânsito, os astrônomos o estudo da estrutura e composição química da atmosfera de um planeta por amostragem, a luz das estrelas que passa através dele. O mergulho na luz das estrelas por causa da passagem do planeta, excepto a atmosfera, é muito pequena, apenas cerca de 1,5 por cento. Quando a atmosfera é adicionado, o mergulho salta para 8 por cento, indicando uma atmosfera inchada.

COS detectado pelos elementos carbono e silício pesados no planeta super-quente atmosfera, de 2.000 graus Fahrenheit. Esta detecção revelou a estrela-mãe é o aquecimento da atmosfera inteira, trazendo à tona os elementos mais pesados e que lhes permite escapar do planeta.

Os dados COS também mostrou o material deixando o planeta não era tudo que viajam à mesma velocidade. "Nós descobrimos gás que escapa em velocidades elevadas, com uma grande quantidade deste gás que flui em nossa direção em 22.000 milhas por hora ", disse Linsky. "Esse grande fluxo de gás é o gás provavelmente arrastados pelo vento estelar para formar a cauda do cometa , como à direita do planeta ".

mais novo espectrógrafo do Hubble tem a capacidade de sondar a química de um planeta em comprimentos de onda ultravioleta não acessíveis aos telescópios terrestres. COS está provando ser um importante instrumento de sondagem de atmosferas de "Júpiter quente ", como HD 209458b.

Outro instrumento do Hubble, o Telescópio Espacial Imaging Spectrograph (STIS), observou o planeta em 2003. Os dados mostraram STIS uma atmosfera ativa evaporação, e uma estrutura de cauda de cometa, como foi sugerido como uma possibilidade. Mas STIS não foi capaz de obter os detalhes espectroscópicas necessário mostrar uma cauda, ou um componente Earthward movimento do gás, durante o trânsito. A cauda foi detectado pela primeira vez por causa de uma combinação única de sensibilidade ultravioleta muito alta e uma boa resolução espectral fornecida pelo COS

Embora este planeta extrema está sendo torrado por sua estrela, ele não será destruído em breve. "Vai levar cerca de um trilhão de anos para o planeta para evaporar ", disse Linsky .

Os resultados apareceram na edição de 10 de julho no The Astrophysical Journal.

O Telescópio Espacial Hubble é um projecto de cooperação internacional entre a NASA e a Agência Espacial Europeia. NASA Goddard Space Flight Center gerencia o telescópio. O Space Telescope Science Institute (STScI) conduz operações científicas do Hubble. STScI é operado para a NASA pela Associação das Universidades de Pesquisa em Astronomia, Inc., em Washington, DC

http://www.nasa.gov/

Exploração espacial: Cientista da Nasa descobre planeta com três sóis
Tema:Expedições
Autor: Redação 360 Graus
Data: 16/7/2005

Ilustração artística do que seria o céu visto desde a superfície de uma hipotética lua do planeta que orbita a HD188753A. O grande corpo no canto superior esquerdo da imagem é o próprio planeta, enquanto que os seus três sóis se encontram junto ao horizonte.
Cortesia de JPL-Caltech e NASA.

        Um planeta com três sóis foi descoberto fora do sistema_solar por um cientista do Instituto de Tecnologia da Califórnia. O planeta é um pouco maior que Júpiter e pode mudar a maneira como os cientistas entendem a formação de planetas.
        "O ambiente em que este planeta foi encontrado é espetacular", disse Maciej Konacki, autor da descoberta, publicada na revista Nature. "Com três sóis, a vista do céu deve ser de outro mundo - literalmente e simbolicamente."
        Distância: O planeta está na órbita da principal estrela de um sistema estrelar triplo, conhecido como HD 188753. O sistema fica a uma distância de 149 anos-luz da Terra, na constelação do Cisne.
        A principal estrela é como o Sol da Terra. As outras duas formam um par e ficam separadas da estrela principal por uma distância praticamente igual àquela entre o Sol e Saturno.

        Usando o telescópio Keck, de 10 metros, no Havaí, Konacki observou evidências de um planeta na órbita da primeira estrela. Segundo ele, este planeta dá uma volta completa na estrela em três dias e meio (ou seja, o "ano" do planeta tem uma duração de três dias e meio) e pode ser muito quente pela proximidade com a estrela.
        De acordo com o cientista, o par de estrelas também perturba o sistema, já que, juntas, elas têm uma massa maior do que a estrela principal. "Como esse planeta foi formado ainda é um mistério. Ainda há muito o que aprender sobre a formação de planetas gigantes", afirmou Konacki. Mais de 20 planetas fora do sistema solar já foram encontrados ao redor de sistemas estrelares binários.

        Os sistemas de estrelas múltiplos estão espalhados pelo Universo e representam mais de metade das estrelas existentes. A estrela mais próxima do nosso Sol, Alfa Centauro, por exemplo, faz parte de um sistema triplo. No entanto, para os caçadores de planetas os sistemas múltiplos não têm sido muito populares, pois são difíceis de observar e até agora pensava-se que eram maus hospedeiros de planetas.

http://360graus.terra.com.br/expedicoes/default.asp?did=14001&action=news
http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI591424-EI302,00.htm
l
http://www.oal.ul.pt/oobservatorio/vol11/n7/pagina3.html
http://www.portaldoastronomo.org/noticia.php?id=563
http://apod.nasa.gov/apod/ap050805.html

LINKs


Ver também:


Crianças e Adolescentes

DESAPARECIDOS