Tetra-avô: Hipótese:

Capitão Pedro Gonçalves dos Banhos, morador em Vitória, de idade de 54 anos em 1685, neste ano foi testemunha no casamento de Antonio Garcia Santiago e D. Maria Faleira, parente dos suplicantes.

Avô: Hipótese:

Alferes Francisco dos Banhos, um dos que assinou a "Representação de 1747"


Pais ou avós: Hipótese: Capitão Manuel Ribeiro Pereira e Maria Pinto

2-1 – Manuel Ribeiro Pereira (capitão), o Vigário de alcunha, nascido freg. de Sampaio de Oliveira em 14/01/1681 e batizado 19/01/1681. Capitão de Ordenanças. Casado em Sampaio de Oliveira, em 19/09/1701, com sua prima Maria Pinto (moradora em Sampaio de Oliveira e era irmã de Joana Pinto), a Vigária de alcunha, nascida em Amarante, bat. a 10/02/1685 e filha natural do padre João Ribeiro, o poeta de Amarante, nascido em Amarante, e de sua prima Ana Pinto, nascida freg. da Chapa, junto a Amarante – A prima pobre veio para servir-lhe e se enamorou.



Casamento:

Francisco dos Banhos

Roza Maria

Viúvo em 1812 [66]







Filhos: 

  1. Marcella de Tal (já estava morta em 1812)[66],
    mãe de:
    1. Maria de Jesus (viúva em 1812)

    2. Thereza de Jesus (viúva em 1812) c.c. Antonio Rodrigues Batallha (já falecido em 1812),
      filhos:
      1. ??? c.c. Jose Pinto Pestana, filho de Antonio Pinto Pestana e Angélica Maria de Jesus


      2. Catharina Benedita

      3. Francisca Roza
        mãe de:
        1. Hipótese: Francisco Gonçalves dos Banhos e Maria Monteira da Conceição

        2. Hipótese: Victoria Maria da Conceição c.c. Joaquim Jose de Santa Anna
          pais de:
          1. Francisco Gonçalves dos Banhos c.c. Marcellina Ferreira de Jesus

  2. Vicente Ferreira,
    pai de:
    1. Marcellino Ferreira Machado c.c. Vitória Maria

    2. Hipótese: Marcelina Maria de Jesus c.c. João de Lemos Amorim (Marcelina Maria de Jesus era conhecida como "Marcelina Ferreira"

  3. Manoel Ribeiro Pinto (já falecido em 1812 [66]) Hipótese: casado com filha de Romão de Mattos Soeiro, um dos que assinou a "Representação de 1747",
    pais de:
    1. Francisca Xavier de Jesus (falecida em 1815) c.c. Manoel Cardozo Castello (viuvo em 1815, falecido em 1828),
      (inventário de 1815, no Cartório David Lacerda Fafa - Vitória-ES [66] ),
      filhos:
      1. Miguel Ribeiro Pinto (em 1815 tinha 26 anos - +      ),

      2. D. Anna Maria da Conceição c.c. Jose de Mattos Sueiro (em 1815 Anna Maria Conceição estava com 25 anos e em 1828 já era viúva - +      )

      3. D. Maria Francisca Coutinho (em 1815 tinha  12 anos - +         )

      4. Manoel Cardozo (em 1815 tinha 08 anos e em 1828 tinha 21 anos - +         ),

    2. Francisco Ribeiro Pinto

    3. Romão de Mattos Soeiro c.c. Victoria_Maria_de_Jesus (ou Maria da Victoria ou Victoria Maria da Conceição), filha de João da Costa (já falecido em 1818) e Theodozia Maria de Lírio, falecida em 1818 [66],
      Romão de Mattos faleceu em 13-5-1803, Serra-ES [66]
      pais de:
      1. Jose Ribeiro Pinto-18 anos em 1803, batizado na Frequesia de N.S. da Conceição da Serra-ES. Em 1812 declara que tem capacidade para administrar os bens. [66] 1812 (casado com a filha de Manoel dos Passos de Jesus?)
        pai de
        1. Hipótese: Jose Ribeiro Pinto de Mattos c.c. Maria das Neves Silva,

        2. Hipótese: Romão de Mattos Soeiro c.c. Maria da Victoria Coutinho
          pais de:
          1. Antonio de Bulhões Coutinho c.c. Roza Maria da Victoria, filha de João Rodrigues Ferreira e Maria Nunes Barboza
            pais de:
            1. Joaquim, nascido no dia 12/03/1852, batizado no dia 11/04/1852, na Matriz da Serra-ES
              Padrinhos: Jose Ribeiro Pinto - Hipótese: Jose Ribeiro Pinto de Mattos c.c. Maria das Neves Silva

              [Batismo: Serra_ES_BL01-01.1850-07.1864-BR.CMV.NSC.BAT.L.002 - página: 14]

        3. Hipótese: Andre de Mattos Pinto c.c. Delfina Maria da Conceição (de Jesus),
          pais de:
          1. Joanna Maria do Nascimento(Conceição) c.c. Joaquim Manoel da Silva, filho de Bernardino de Sena Vasconcellos e Angelica Ferreira de Jesus,
            pais de:
            1. João e Bernardino (gemeos/brancos), batizados no dia 05/04/1857, página 20 [39]


            2. Deolinda, nascida no dia 06/01/1867, batizada no dia 04/08/1867, em São Jose do Queimado-ES
              Padrinhos: Doutor Diolindo Jose Vieira Maciel e D. Quiteria Maria da Penha

              [Batismo: Queimado BL3-09.1866-11.1878- página: 16]

      2. Maria em 1812 c.c. Jose de Barcellos

      3. Manoel Pinto Hipótese: Manoel Pinto Ribeiro c.c. Anna Pinta da Conceição

      4. Izabel Maria em 1812 solteira

      5. Victória Maria (já falecida em 1812) c.c. Jose Joaquim Pereira,
        pais de:
        1. Hipótese: Romão de Mattos Pereira c.c. Francisca Borges de Lírio (já falecidos em 04/08/1856),
          pais de:
          1. Joaquim Pereira Franco Pissarra c.c. Maria Roza da Silva, filha de João de Barcellos Silva e Roza Maria da Silva,
            Em 1847 estava com 34 anos de idade, casado, conforme lista de eleitores da Serra-ES [58]

            pais de:
            1. Imidio - Batizado no dia 04/08/1856, na Matriz da Serra-ES, nascido no dia 20/03/1856
              Padrinho: Luis Antonio do Rozario



        2. Hipótese: Catharina Pereira de Mattos, faleceu no dia 06/10/1850, na Vila da Serra-ES, solteira, com 50 anos de idade

          [Registro: OL01-09.1847-12.1860-BR.CMV.NSC.OBT.L.001 - página: 57E]


        3. Hipótese: Joanna Maria das Virgens c.c. Carlos Pereira de Jesus


    4. Hipótese: Antonio de Mattos Pinto - 84 anos em 1847 [58],
      pai de:
      1. Hipótese: Margarida Teixeira de Jesus c.c. João de Barcellos Vieira


Ver imagem:
Roza Maria c.c. Francisco dos Banhos


 

Inventário de Roza Maria casada com Francisco dos Banhos, viúvo, no Espírito Santo - Processo de 1812 [66] - Processos de INVENTáRIOS do Cartório da 1ª Vara de órfãos e Sucessões Tutela e Curatela Testamentos Inventários - David Lacerda Fafá - Vitória - ES:

Inventário datado de 09 de Julho de 1803, por falecimento de Romão de Mattos Soeiro, natural da Freguesia da Serra - ES, falecido no dia 13/5/1803.
Viúva inventariante: Vitória Maria de Jesus, da Freguesia da Serra-ES.


Filhos: 

  • 1 - Jose (18 anos em 1803). No documento anexo deixa dúvida a respeito da idade: 8 ou 18. Entretanto, com base na declaração do próprio Jose (Jose Ribeiro Pinto) em 1812, chegamos a esta conclusão.
  • 2 - Maria
  • 3 - Manoel
  • 4 - Izabel

Avaliadores dos bens: Antonio de Mendonça e Manoel Nunes do Amaral. Curador: Miguel da Silva Lira

Declaração de Jose Ribeiro Pinto, filho legítimo de Romão de Mattos SoeiroVictória Maria da Conceição. 

Em 1812, na época do inventário de Roza Maria, sua trisavó, declarou ter capacidade para administrar seu bens.
Em 1803, estando com 18 anos de idade

Em 1812 -estava com 27 anos de idade - de maior idade para administrar seus bens.

 

 

Processos de INVENTÁRIOS do Cartório da 1ª Vara de órfãos e Sucessões Tutela e Curatela. Testamentos Inventários - David Lacerda Fafá - Vitória - ES [66]

João Ribeiro (3-3?). Segundo Basílio Carvalho Daemon, no ano de 1780 foram avaliadas terras: as da parte d’além da vila da Vitória, com extensão de 3 quilômetros e que corriam de Este a Oeste, dividindo-se pelo Norte com a baía em frente à vila, pelo Sul até o sítio que foi de Manoel Gonçalves Lima e depois de João Antônio, e se dividem com os mangues, entrando pelo Aribiri e deste Gonçalves Lima em diante se dividem pelo alto do morro chamado do Frade, em águas vertentes para o Norte, descendo até rumo de Oeste até o Paul, e pela parte de Leste demarcadas pelo mesmo rio navegável, foi avaliado um quinhão de terras na ilha chamada do Sinai do Andrada, que julgamos ser a hoje chamada da Pedra d’água, já pela configuração, já por estar unida à terra firme e em frente às pertencentes aos Padres da Companhia de Jesus, cuja parte fora comprada ou doada por Gaspar de Matos, e que pelo Sul se dividia com terras de João Ribeiro, herdeiros daquele Andrada, principiando pela Taputera (pedra fora d’água), correndo pelo alto da ilha para Leste e parte do Norte se dividia com as margens que fazem mar no rio morto, o Aribiri, e pela parte de Leste se confinava com o mangue que a cerca e pela parte de Oeste fazem frente pelo rio Santa Maria navegável, tendo pouca extensão e menos largura, podendo levar dois alqueires de planta; ainda outras terras foram avaliadas no Pontal, da outra parte do rio no chamado Maruípe, hoje da Passagem, que de um lado se divide com a Passagem Real, que ia desse lugar para a praia de Maruípe e da outra se dividiam com a estrada das Pitangueiras e faziam um ângulo na encruzilhada das ditas duas estradas, fazendo termo afinal no mar, onde tinham mais largura e alguma mata virgem.

Conforme Livro Tombo da Vila de Nova Almeida de 1945 - APEES - informações de 1760 - Entre os primeiros proprietários de terras em Nova Almeida: Franciso de Mattos c.c. Angelica de Jesus e Manoel de Mattos

 

INÍCIO      BIBLIOGRAFIA     LINK     ÍNDICE     INVENTÁRIOS     OUTROS     PESQUISA NO SITE