Mundo próximo à esfera física

 

Página acima: Mundo dos espíritos
 

Há regiões encravadas nos domínios do próprio globo terrestre, submetidas às mesmas leis que lhe regulam o tempo.

[83 - página 48] - André Luiz

        Tanto na Terra quanto aqui, no plano_espiritual, conhecemos, na essência, muito pouco acerca do meio em que vivemos. Em suma, analisamos e reanalisamos coisas e princípios que já encontrámos feitos...

       Entretanto, no mundo, como entendemos o mundo, guardamos a certeza de permanecer sobre bases de matéria sólida...

      Moramos na arena terrestre, detidos igualmente num certo grau da escala de impressão do nosso Espírito eterno. Qualquer aprendiz de ciência elementar, no Planeta, não desconhece que a chamada matéria densa não é senão a energia radiante condensada. Em última análise, chegaremos a saber que a matéria é luz coagulada, substância divina, que nos sugere a onipresença de Deus.

[73 - página 69]   - André Luiz  

  • Nenhum espanto, quando ponderarmos que os edifícios no mundo dos homens nascem do pensamento que os esculpe e da matéria que obedece aos projetos elaborados. 

  • Aqui verificamos o mesmo processo, diferindo apenas as condições da matéria, que se evidencia mais intensivamente maleável à influência da ideia dominante. 

        Reflitamos no progresso da indústria de plásticos, na atualidade do plano físico de onde viemos e perceberemos, com mais segurança, as possibilidades imensas para as edificações delicadas e complexas em nosso domicílio de agora. Naturalmente, também aqui estamos subordinados ainda às técnicas, às vocações, às competências pessoais e às criações estilísticas, no círculo das conquistas espirituais de cada um. 

  • O arquiteto que planeia uma casa e o obreiro que lhe cumpre as ordens, não servirão, de imediato, em lugar do diretor da manufatura de tecidos e do operário que lhe atende as determinações. 

  • Ainda aqui, o escritor não faz a obra do músico, em ação de improviso. 

       Somos criaturas em evolução, sem havermos atingido ainda a posição dos gênios polimorfos, apesar de esses gênios existirem igualmente aqui.

[73 - página 73]   - André Luiz (Espírito)

        Cada um de nós permanece aqui, em núcleos de trabalho e renovação, na vizinhança do plano físico, sob a mesma ficha de identificação, através da qual éramos conhecidos nela. Até que nos promovamos por merecimento próprio a círculos mais altos de sublimação, quedar-nos-emos entre a Espiritualidade Superior e o Estágio Físico, operando no aperfeiçoamento pessoal, da internação no berço à liberação para a vida espiritual e regressando da liberdade na vida espiritual a nova segregação no berço.

        Aqui somos então examinados pelo que fomos, nas ações praticadas, no tempo de retaguarda mais próximo de nós...

        Somos como éramos, na ficha individual, até que as circunstâncias nos indiquem nova_imersão_no_corpo_carnal, como recurso inevitável aos objetivos de burilamento a que todos visamos, nas lides da vida eterna.

[73 - página 85]   - André Luiz (Espírito)

        Além do principado humano, para lá das fronteiras sensoriais que guardam ciosamente a alma_encarnada, amparando-a com limitada visão e benéfico_esquecimento, começa vasto império espiritual, vizinho dos homens. Ai se agitam milhões de Espíritos imperfeitos que partilham, com as criaturas terrenas, as condições de habitabilidade da Crosta do Mundo. Seres humanos, situados noutra faixa_vibratória, apóiam-se na mente encarnada, através de falanges incontáveis, tão semiconscientes na responsabilidade e tão incompletas na virtude, quanto os próprios homens. (Ver: Obsessão e Possessão)

[96 - páginas 18] - André Luiz

        Quantos, porém, desprezarem as sublimes oportunidades do tempo, no clima de recomposição nos educandários de serviço e aprendizado, decerto que, por eles mesmos, recuarão para os distritos_vizinhos, onde se afinam os agentes_da_perturbação_e_das_trevas — doentes voluntários, seviciando-se, em lamentável regime de reciprocidade — até que, fatigados de rebeldia, roguem à piedade das Leis Eternas a preciosa dádiva das reencarnações_de_sofrimento_regenerativo para o retorno a estes sítios (educandários), Deus sabe quando!...

[73 - página 98]   - André Luiz

       ... "Em suma, a passagem pelo sepulcro conduzira-nos a uma vida melhor; mas.. . e os milhões que transpunham o estreito limiar da morte, permanecendo apegados à Crosta da Terra?

        Incalculáveis multidões desse gênero mantinham-se na fase rudimentar do conhecimento; apenas possuíam algumas informações primárias da vida; exoravam amparo dos Espíritos Superiores, como as tribos primitivas reclamam o concurso dos homens civilizados; precisavam de desenvolver faculdades, como as crianças de crescer; não permaneciam chumbadas à esfera carnal por maldade, senão que se demoravam, hesitantes, no chão terreno, como os pequeninos descendentes dos homens se conchegam ao seio materno; guardavam da existência apenas a lembrança do campo sensitivo, reclamando a reencarnação quase imediata quando lhes não era possível a matrícula em nossos educandários de serviço e aprendizado iniciais. Por outro lado, verdadeiras falanges de criminosos e transviados agitavam-se, não longe de nós, depois de haverem transposto as fronteiras do túmulo; consumiam, por vezes, inúmeros anos entre a revolta e a desesperação, personificando horrendos gênios da sombra, como ocorre, nos círculos terrenos, com os delinqüentes contumazes, segregados da sociedade sadia; mas sempre terminavam a corrida louca nos desvãos escuros do remorso e do sofrimento, penitenciando-se, por fim, de suas perversidades. O arrependimento é, porém, caminho para a regeneração e nunca passaporte direto para o céu, razão pela qual esses infelizes formavam quadros vivos de padecimento e de horror.

        Em várias experiências, via-os conturbados e aflitos, assumindo formas desagradáveis ao olhar.

        Nos casos de obsessão convertiam-se em recíprocos algozes, ou, então, em verdugos frios das vítimas encarnadas; quando errantes ou circunscritos aos vales de punição, aterravam sempre pelos espetáculos de dor e de miséria sem limites.

        No entanto, era forçoso convir, eles, os desventurados, e nós outros, que continuávamos trabalhando em ritmo normal, atravessáramos portas idênticas. Talvez, em muitos casos, houvéssemos abandonado o invólucro_material sob o assédio de doenças análogas. Isto considerando, e por desejar conhecer a Divina Lei, que não concede paraísos de favor, nem estabelece infernos eternos, confrangia-me o contemplar as imensas fileiras de infortunados.

        Efetivamente, identificara numerosos deles em câmaras retificadoras, através de múltiplas instituições de beneficência; todavia, esses, situados na zona de amparo fraterno, apresentavam a seu favor sintomas de melhora quanto ao reconhecimento das próprias falhas ou aos créditos espirituais de que gozavam, mercê de certas forças intercessoras.

        Os infelizes, a que aludimos, provinham, porém, de outras origens. Eram os ignorantes, os revoltados, os perturbadores e os impenitentes, de alma impermeável às advertências edificantes, os enfatuados e os vaidosos dos mais vários matizes, perseverantes no mal, dissipadores da energia anímica, em atitudes perversas diante da vida.

        Meu contacto com eles, em diversas ocasiões, fora simples encontro fortuito, sem maior significação para meu esclarecimento.

  • Por que motivo se demoravam tanto no hemisfério obscuro da incompreensão? adiavam, deliberadamente, a recepção da luz? 

  • não lhes doeria a condição de seres condenados, por si mesmos, a longas penas? 

  • não experimentariam vergonha pela perda voluntária de tempo? 

  • Muita vez, surpreendia-me a contemplá-los... Os traços_fisionômicos de muitos desses desventurados pareciam monstruoso desenho, provocando ironia e piedade. Que lei regeria a estereotipação de suas formas? 

  • Tê-los-ia olvidado a mãe-natureza, pródiga de bênçãos em todos os planos, ou recebiam eles esses traços de apresentação pessoal como castigo imposto por superiores desígnios?"

[25 - página 30]   - André Luiz

        Descíamos sempre, como viajores ladeando escuros precipícios, em país de exotismo ameaçador. Esquisita vegetação subia do solo, de espaço a espaço, entre os grandes abismos. Aves de horripilante aspecto surgiam, medrosas, de quando em quando, enchendo o silêncio de pios angustiados. Rija ventania soprava em todas as direções.
        Fundamente assombrado, cobrei ânimo e perguntei ao nosso instrutor:
        — Que dizeis de tudo isto? Ignorava que houvesse tais regiões entre a Crosta e nossa cidade espiritual. À nossa frente, sinto um mundo novo, que me é totalmente desconhecido... Por quem sois, nobre Aniceto (Instrutor de André Luiz), nada vos pergunto por ociosidade, mas estas terras me surpreendem profundamente.
        Aniceto respondeu:
        — Todo este mundo que vemos é continuação de nossa Terra. Os olhos humanos vêem apenas algumas expressões do vale em que se exercitam para a verdadeira visão espiritual, como nós outros que, observando agora alguma coisa, não estamos igualmente vendo tudo.
        
Este, André, é um domínio diferente. A percepção humana não consegue apreender senão determinado número de vibrações. Comparando as restritas possibilidades humanas com as grandezas do Universo_Infinito, os sentidos_físicos são muitíssimo limitados. O homem recebe reduzido noticiário do mundo que lhe é moradia. É verdade que tem devassado com a sua ciência problemas profundos. A astronomia terrena conhece que:

  • o Sol, por medidas aproximadas, é 1.300.000 vezes maior que a Terra
  • e que a estrela Capela é 5.800 vezes maior que o nosso Sol;
  • sabe que Arcturo equivale a milhares de sóis, iguais ao que nos ilumina;
  • está informada de que Canopo corresponde a 8.760 sóis idênticos ao nosso, reunidos;
  • mediu as distâncias entre o nosso planeta e a Lua;
  • acompanha certos fenômenos em Marte, Saturno, Vênus e Júpiter;
  • sonda os milhões de sóis aglomerados na Via-Láctea;
  • conhece as estrelas variáveis, as nebulosas espirais e difusas.

        E não param as observações humanas na grandeza ilimitada do Macrocosmo. A Ciência vai, igualmente aos círculos_atômicos, analisa a materialização da energia, o movimento dos elétrons, estuda o bombardeio de átomos e esquadrilha corpúsculos diversos. Mas todo esse trabalho com a colaboração das lunetas de alta potência e dos geradores de milhões de voltagem, ainda é serviço que apenas identifica os aspectos exteriores da vida. Há, porém, André, outros mundos sutis, dentro dos mundos grosseiros; maravilhosas esferas que se interpenetram. O olho humano sofre várias limitações e todas as lentes físicas reunidas não conseguiriam surpreender o campo da alma, que exige o desenvolvimento das faculdades espirituais para tornar perceptível. A eletricidade e o magnetismo são duas correntes poderosas que começam a descortinar aos nossos irmãos encarnados alguma coisa dos infinitos potenciais do invisível, mas ainda é cedo para cogitarmos de êxito completo. Somente ao homem de sentidos espirituais desenvolvidos é possível revelar alguns pormenores das paisagens sob nossos olhos. A maioria das criaturas ligadas à Crosta não entende estas verdades, senão após_perderem_os_laços_físicos_mais_grosseiros. É da lei, que não devemos ver senão o que possamos observar com proveito. (Ver: Fotometria)

[103 - páginas 83 / 85] - André Luiz - 1944

        Os planos vizinhos da esfera terráquea possuem, igualmente, natureza específica. "Nosso Lar" é antiga fundação de portugueses distintos, desencarnados no Brasil, no século XVI. A princípio, enorme e exaustiva foi a luta, segundo consta em nossos arquivos no Ministério do Esclarecimento.

  • Há substâncias ásperas nas zonas invisíveis à Terra,
  • tal como nas regiões que se caracterizam pela matéria grosseira.

        Aqui também existem enormes extensões de potencial inferior, como há, no_planeta, grandes tratos de natureza rude e incivilizada. Os trabalhos primordiais foram desanimadores, mesmo para os espíritos fortes. Onde se congregam hoje vibrações delicadas e nobres, edifícios de fino lavor, misturavam-se as notas primitivas dos silvícolas do pais e as construções infantis de suas mentes rudimentares. Os fundadores não desanimaram, porém. Prosseguiram na obra, copiando o esforço dos europeus que chegavam à esfera material, apenas com a diferença de que, por lá, se empregava a violência, a guerra, a escravidão, e, aqui, o serviço perseverante, a solidariedade fraterna, o amor espiritual.

[32 - página 52] - André Luiz

        Em "Nosso Lar", ....

  • quando os recém-chegados das zonas inferiores do Umbral se revelam aptos a receber cooperação fraterna, demoram no Ministério do Auxílio;
  • quando, porém, se mostram refratários, são encaminhados ao Ministério da Regeneração.
  • Se revelam proveito, com o correr do tempo são admitidos aos trabalhos de Auxílio, Comunicação e Esclarecimento, a fim de se prepararem, com eficiência, para futuras tarefas planetárias.
  • Somente alguns conseguem atividade prolongada no Ministério da Elevação,
  • e raríssimos, em cada dez anos, os que alcançam intimidade nos trabalhos da União Divina.

        E não suponha que os testemunhos sejam vagas expressões de atividade idealista. Já não estamos na esfera do globo, onde o desencarnado é promovido compulsoriamente a fantasma. Vivemos em circulo de demonstrações ativas. As tarefas de Auxílio são laboriosas e complicadas, os deveres no Ministério da Regeneração constituem testemunhos pesadíssimos, os trabalhos na Comunicação exigem alta noção da responsabilidade individual, os campos do Esclarecimento requisitam grande capacidade de trabalho e valores intelectuais profundos, o Ministério da Elevação pede renúncia e iluminação, as atividades da União Divina requerem conhecimento justo e sincera aplicação do amor universal. A governadoria, por sua vez, é sede movimentada de todos os assuntos administrativos, numerosos serviços de controle direto, como, por exemplo, o de alimentação, distribuição de energias elétricas, trânsito, transporte e outros. Aqui, em verdade, a lei do descanso é rigorosamente observada, para que determinados servidores não fiquem mais sobrecarregados que outros; mas a lei do trabalho é também rigorosamente cumprida. No que concerne ao repouso, a única exceção é o próprio Governador, que nunca aproveita o que lhe toca, nesse terreno.

[32 - páginas 66/67] - André Luiz

Os sistemas de transporte, nas zonas mais próximas da Crosta, são muito mais numerosos do que se poderia imaginar, em bases transcendentes do eletromagnetismo.


[103 - página 103] - André Luiz

  • Na Crosta, nossos irmãos menos felizes lutam pela dominação econômica, pelas paixões_desordenadas, pela hegemonia de falsos princípios.
  • Nestas zonas imediatas à mente terrestre, temos tudo isso em identidade de condições.

        Entre as entidades perversas e ignorantes,...

  • há cooperativas para o mal,
  • sistemas econômicos de natureza feudalista,
  • baixa exploração de certas forças da Natureza,
  • vaidades tirânicas,
  • difusão de mentiras,
  • escravização dos que se enfraquecem pela invigilância,
  • doloroso cativeiro dos Espíritos falidos e imprevidentes,
  • paixões talvez mais desordenadas que as da Terra,
  • inquietações sentimentais,
  • terríveis desequilíbrios da mente,
  • angustiosos desvios do sentimento.

        Em todo o lugar, meu amigo, as quedas espirituais, perante o Senhor, são sempre as mesmas, embora variem de intensidade e coloração.

[103 - página 110] - André Luiz

Ver também:

 

Crianças e Adolescentes

DESAPARECIDOS