Era geológica

        O tempo geológico tem uma duração de quatro bilhões de anos, aproximadamente, dos quais somente os últimos quinhentos milhões são bem conhecidos, mercê dos fósseis, que começam a ser cada vez mais abundantes a partir do período cambriano. A era é a divisão básica do tempo geológico e cada uma se subdivide em períodos. Com durações desiguais, as eras são quatro, a começar do momento em que se registram fatos notáveis 

  • a era proterozóica (arqueozóica), mais antiga, em que existiam animais de corpo mole e algas, sendo raros os fósseis, durou de 3 a 3,5 bilhões de anos.

    Períodos

    (Pré-cambriano)

    Duração (em anos)

    Desde o começo

    Arqueano

       

    Algonquiano

    3.000.000.000

    a

    3.500.000.000

    3.000.000.000

    a

    3.500.000.000

  • a era paleozóica, em que começou a aumentar os registros fósseis animais e vegetais, idade dos invertebrados e dos vertebrados primitivos. A fauna constitui-se de uma maioria de invertebrados, entre os quais dominam graptosoários, trilobitas e braquiópodes. Os peixes apresentam com frequência uma couraça dérmica, que se reduz à medida que aparecem as verdadeiras escamas, anunciando os vertebrados terrestres. Estes (estegocéfalos) aparecem no fim do período; sua larva lembra um girino. Durou cerca de 340 milhões de anos.

                   

    Períodos

    (Primário)

    Duração (em anos)

    Desde o começo

    Cambriano

    70.000.000 3.570.000.000

    Ordoviciano

    50.000.000 3.620.000.000
    Siluriano 50.000.000 3.670.000.000
    Devoniano 60.000.000 3.730.000.000
    Carbonífero 60.000.000 3.790.000.000
    Permiano 50.000.000 3.840.000.000
  • a era mesozóica, que veio a seguir, assinalando-se pelo desenvolvimento dos répteis, que atingiram formas gigantescas. Os foraminíferos, os rudistas, os belemnites e sobretudo as amonitas dominam entre os invertebrados são, com mais  freguência, répteis, adaptados aos diversos modos de existência (aéreos, terrestre, marinho). As aves aparecem no jurássico e os mamíferos começam a se diferenciar, embora conservando-se de pequeno porte. Durou aproximadamente 170 milhões de anos.

    Ver:  

     

    Períodos

    (Secundário)

    Duração (em anos)

    Desde o começo

    Triásico

    50.000.000 3.890.000.000

    Jurássico

    50.000.000 3.940.000.000

    Cretáceo

    68.000.000 4.008.000.000
  • a era cenozóica, idade dos mamíferos. Nos mares vive uma multidão de foraminíferos (sobretudo numulites); os gastrópodes multiplicam-se e entre os peixes dominam os teleósteos. No meio aéreo, os insetos e os pássaros têm os caracteres atuais. O reino dos mamíferos na terra sucede ao dos répteis. Os símios, muito diversificados, anunciam a próxima aparição do homem. Durou 60 milhões de anos.  (Ver: Antepassados do homem)

    Períodos

    (Terciário)

    Épocas

    Duração 

    (em anos)

    Desde o começo

     

    Paleoceno 5.000.000 4.013.000.000
     

    Eoceno

    20.000.000 4.033.000.000
      Oligoceno 11.000.000 4.044.000.000
      Mioceno 12.000.000 4.056.000.000
      Plioceno 12.000.000 4.068.000.000
  • e finalmente a era antropozóica. Surgem novas espécies (hoje desaparecidas), adaptadas ao frio; rinocerontes lanudos, mamutes. Mas o grande evento é o aparecimento e disseminação do homem, iniciou há 2 milhões de anos. O Plistoceno caracteriza-se pelo resfriamento geral da atmosfera e pela ocorrência sucessiva de quatro períodos glaciais. A flora também se adapta ao clima. O Plistoceno corresponde em grande parte ao paleolítico dos arqueólogos.  (Ver: Antropóides e Trajetória evolutiva do Espírito)

    Períodos

    (Quaternário)

    Épocas

    Duração (em anos)

    Desde o começo

     

    Pleistoceno

    ou

    Plistoceno

    2.000.000

    4.070.000.000

     

    Holoceno 20.000  

     

    Recente 

    ou Atual

     

     

[31]

        Os primórdios do paleolítico remontam às primeiras manifestações de atividade humana ou ante-humana, por volta de 1.000.000 de anos atrás. A maior parte do período é constituída pelo paleolítico inferior.

  • No paleolítico inferior, distinguem-se, relativamente às técnicas e que ordem cronológica: o abevilense ou chelense, o clactoniano (primeira fase), o acheuliano (segunda fase). Os instrumentos da primeira fase limitam-se a duas ou três formas obtidas por uma série de gestos muito simples. Os da segunda fase são mais variados, e suas formas implicam séries de gestos de fabricação já complexos. O povoamento parece ter sido bastante ralo: algumas centenas de indivíduos para territórios equivalentes ao da França. 

  • O paleolítico médio começa no fim do segundo  terço do plistoceno e abrange o início da terceira glaciação (as três precedentes ocorreram durante o paleolítico inferior). A caça completa a coleta de frutos e sementes e o osso aparece como material utilizado pelo homem. (A ponta e o raspador são os dois instrumentos da indústria mousteriana.)  O levaloisense é outra indústria dessa época da pré-história. A população cresceu rapidamente: é estimada em 20.000 indiv. para extensões correspondente à do território francês.

  • O paleolítico superior tende a individualizar-se sob o nome de leptolítico

arte paleolítica

"A dama de Brassempouy"

Musée des Antiquités Nationales, Saint-German-en Laye

[31]

        No período Mesolítico, período de transição entre o Paleolítico e o Neolítico, que compreende de aproximadamente 10.000 a 8.000 a.C na maioria das culturas, mas pode ser estendido até o ano 3.000 a.C em outras. É marcado principalmente pelo fim das eras glaciais e adequação da temperatura da terra à prática da agricultura, o que facilita os assentamentos humanos, o homem descobre novos materiais e técnicas a serem utilizados na confecção das ferramentas de trabalho, como instrumentos de caça mais eficientes e avançados. Os materiais utilizados normalmente eram o sílex, os ossos e os chifres. É durante esse período que encontramos as primeiras manifestações do uso da cerâmica.

LINKs:

Ver também: 

 

Crianças e Adolescentes

DESAPARECIDOS