Página acima: Família
Almas gêmeas

--

Não há almas que desde suas origens, estejam  predestinadas a união. Cada um de nós não tem, nalguma parte do Universo, sua metade, a que fatalmente um dia reunirá.  Não há união particular e fatal, de duas almas. A união que há é a de todos os Espíritos, mas em graus diversos, segundo a categoria que ocupam, isto é, segundo a perfeição que tenham adquirido. Quanto mais perfeitos, tanto mais unidos. Da discórdia nascem todos os males dos humanos; da concórdia resulta a completa felicidade. 

[9a - questão 298]

  • No caminho dos homens é ainda o amor que preside a todas as atividades da existência em família e em sociedade.
  • Reconhecida a sua luz divina em todos os ambientes, observaremos a união dos seres como um ponto sagrado de referência dessa lei única que dirige o Universo.

[41a  -página 184 questão322]

      

         No sagrado mistério da vida, cada coração possui no Infinito a alma gêmea da sua, companheira divina para a viagem à gloriosa imortalidade.
         Criadas umas para as outras, as almas gêmeas se buscam, sempre que separadas.  A união perene é-lhes a aspiração suprema e indefinível.  Milhares de seres, se transviados no crime ou na inconsciência, experimentam a separação das almas que os sustentam, como a provação mais ríspida e dolorosa, e, no drama das existências mais obscuras, vemos sempre a atração eterna das almas que se amam mais intimamente, evolvendo umas para as outras, num turbilhão de ansiedades angustiosas, atração que é superior a todas as expressões convencionais da vida terrestre.  Quando se encontram, no acervo dos trabalhos humanos, sentem-se de posse da felicidade real para os seus corações — a da ventura de sua união, pela qual não trocariam todos os impérios do mundo, e a única amargura que lhes empana a alegria é a perspectiva de uma nova separação_pela_morte, perspectiva essa que a luz da Nova Revelação veio dissipar, descerrando para todos os espíritos, amantes do bem e da verdade, os horizontes eternos da vida.

[41a - página 185 questão 323]

        O Universo é o plano infinito que o pensamento divino povoou de ilimitadas e intraduzíveis belezas.

        Para todos nós, o primeiro instante da criação do ser está mergulhado num suave mistério, assim como também a atração profunda e inexplicável que arrasta uma alma para outra, no instituto dos trabalhos, das experiências e das provas, no caminho infinito do Tempo.

        A ligação das almas gêmeas repousa, para o nosso conhecimento relativo, nos desígnios divinos, insondáveis na sua sagrada origem, constituindo a fonte vital do interesse das criaturas para as edificações da vida.

        Separadas ou unidas, nas experiências do mundo, as almas irmãs caminham, ansiosas, pela união e pela harmonia supremas, até que se integrem, no plano espiritual, onde se reúnem para sempre na mais sublime expressão de amor divino, finalidade profunda de todas as cogitações do ser, no dédalo do destino.

[41a_- página 186 questão 325]  

         Resposta de Emmanuel em atenção às objeções da editora (FEB), em relação à aparente divergência entre os textos acima:  

        “Meu amigo, Deus te abençoe o coração nas lutas materiais. Agradecendo o teu carinho fraterno, na colaboração amiga e sincera de sempre, peço a modificação do texto, do novo trabalho, que deverá ser apresentado nos seguintes termos:

        — “Grande número de almas desencarnadas nas Ilusões da vida física, guardadas quase que integralmente no intimo, conservam-se, por algum tempo, incapazes de apreender as vibrações do plano espiritual superior, sendo conduzidas pelos seus guias e amigos redimidos às reuniões fraternas do Espiritismo evangélico, onde, sob as vistas amoráveis desses mesmos mentores do plano invisível, se processam os dispositivos da lei de cooperação e benefícios mútuos, que rege os fenômenos da vida nos dois planos.”

        “Devo o pequeno equivoco observado, concedendo à matéria certos ascendentes que só pertencem ao espírito, a perturbações do método de “filtragem mediúnica”, onde o nosso pensamento foi prejudicado.

        “Solicitando essa modificação, pediria a conservação, no texto, da humilde exposição relativa à tese das “almas gêmeas”, ainda que, em consciência, sejam os amigos da Casa de Ismael compelidos à apresentação de uma ressalva, em obediência à lealdade de respeitável ponto de vista.  A tese, todavia, é mais complexa do que parece ao primeiro exame, e sugere mais vasta meditação às tendências do século, no capítulo do “divorcismo” e do “pansexualismo”, que a ciência menos construtiva vem lançando nos espíritos, mesmo porque, com a expressão “almas gêmeas”, não desejamos dizermetades eternas”, e ninguém, a rigor, pode estribar-se no enunciado para desistir de veneráveis compromissos assumidos na escola redentora do mundo, sob pena de aumentar os próprios débitos, com difíceis obrigações à frente da Lei.”

[41a - página 231 ]

A resposta dada no Livro dos Espíritos: "Não há almas que desde suas origens, estejam  predestinadas a união", condiz com o princípio básico do livre-arbítrio.  

Sendo gêmeas desde a criação possuiriam características semelhantes e distintamente das demais.  Realmente, seria difícil imaginar que Deus tivesse criado, originalmente, pares de espíritos.

[ 0 ]

        Nossas observações sobre os textos acima, de Emmanuel:

  • Emmanuel: "No sagrado mistério da vida, cada coração possui no Infinito a alma gêmea da sua, companheira divina para a viagem à gloriosa imortalidade." 

  • Emmanuel: "CriadaS umaS para aS outraS"
    -----
      (não significa: criada, fatalmente, uma para a outra)

  • Emmanuel: "A união perene é-lhes a aspiração suprema e indefinível." 
    ----- (
    a união perene é uma condição que deve ser conquistada - é uma aspiração)

  • Emmanuel: "Milhares de seres, se transviados no crime ou na inconsciência, experimentam a separação das almas que os sustentam, como a provação mais ríspida e dolorosa"
    ----- (Deus não condiciona, fatalmente, a evolução de uma alma à de outra.)

  • Emmanuel: "Para todos nós, o primeiro instante da criação do ser está mergulhado num suave mistério, assim como também a atração profunda e inexplicável que arrasta uma alma para outra"
    ---- (neste parágrafo Emmanuel ratifica nossa primeira observação acimaE, destaca o mistério do instante da criação dos seres. Portando, não entra em contradição com a questão no Livro dos Espíritos.)

  • Emmanuel: "Separadas ou unidas, nas experiências do mundo, as almas irmãs caminham, ansiosas, pela união e pela harmonia supremas, até que se integrem, no plano espiritual"
    ---- (deixa a entender que a integração, de fato, ocorre no plano espiritual em estágio de harmonia suprema.)

  • Emmanuel: "com a expressão almas gêmeas, não desejamos dizer metades eternas

[ 0 ]

        É justo lembrar que nas primeiras páginas do Antigo Testamento, base da Revelação Divina, está registrado: “e Deus considerou que o homem não devia ficar só”.

[41a - página 186 questão 324]

GENESE [2]

  • 18 Disse mais o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora que lhe seja idônea.

  • 24 Portanto deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á à sua mulher, e serão uma só carne.

       Não devemos esquecer que a Terra ainda é uma escola de lutas regeneradoras ou expiatórias, onde o homem pode consorciar-se várias vezes, sem que a sua união matrimonial se efetue com a alma gêmea da sua, muitas vezes distante da esfera material.

        A criatura transviada, até que se espiritualize para a compreensão desses laços sublimes, está submetida, no mapa de suas provações, a tais experiências, por vezes pesadas e dolorosas.

        A situação de inquietude e subversão de valores na alma humana justifica essa provação terrestre, caracterizada pela distância dos Espíritos amados, que se encontram num plano de compreensão superior, os quais, longe de desdenharem as boas experiências dos companheiros de seus afetos, buscam facultar-lhes com a máxima dedicação, de modo a facilitar o seu avanço direto às mais elevadas conquistas espirituais.

[41a - página 188 questão 328]  

        Os Espíritos_superiores não ficam propriamente ligados ao orbe terreno, mas não perdem o interesse afetivo pelos seres amados que deixaram no mundo, pelos quais trabalham com ardor, impulsionando-os na estrada das lutas redentoras, em busca das culminâncias da perfeição.

        A saudade, nessas almas santificadas e puras, é muito mais sublime e mais forte, por nascer de uma sensibilidade superior, salientando-se que, convertida num interesse divino, opera as grandes abnegações do Céu, que seguem os passos vacilantes do Espírito encarnado, através de sua peregrinação expiatória ou redentora na face da Terra.

[41a - página 188 questão 329]

O amor das almas gêmeas não pode constituir restrição ao amor universal, porquaSnto, atingida a culminância evolutiva, todas as expressões afetivas se irmanam na conquista do amor divino. O amor das almas gêmeas, em suma, é aquele que o Espírito, um dia, sentirá pela Humanidade inteira.

[41a - página 187 questão 326]

É oportuno lembrar que, em muitas famílias, o amor existente entre os casais, que poderíamos considerar almas gêmeas, ainda é menor do que o amor para com os seus filhos. Temos que entender melhor o sentido de Almas gêmeas. Isto é, considerarmos a família espiritual (almas gêmeas - simpáticas - afins).

[ 0 ]

        André_Luiz (espírito), cita exemplo de casal de encarnados: Adelino e Raquel são Espíritos associados de muitas existências em comum, partilham o mesmo cálice de dores e alegrias terrestres. Na atualidade, durante o sono, seus corpos repousam um ao lado do outro, no mesmo leito; entretanto, cada um vive em plano mental diferente. E muito difícil estarem reunidas nos laços domésticos as almas da mesma esfera. 

  • Raquel, durante a emancipação de sua alma, fora dos veículos de carne, pode ver a avozinha, com quem se encontra ligada no mesmo círculo de elevação. 

  • Adelino, porém, somente poderá ver Segismundo, com quem se encontra imantado_pelas_forças do ódio que ele deixou, imprudentemente, desenvolver-se, de novo, em seu coração...

[16a - página 176 ]  - André Luiz 

Texto extraído do livro "Há 2000 anos", 29ª edição  -  página 130 ...  

EPISÓDIOS DA HISTÓRIA DO CRISTIANISMO NO SÉCULO I 

Romance de EMMANUEL, psicografado por FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER

 

        ... "Jamais fiz uma viagem tão penosa e tão infeliz! Gênios malditos parecem presidir as minhas atividades na Palestina, porque, se curei uma filha, perdi um filhinho no desconhecido e começo a perder a mulher no abismo das irreflexões e da incoerência; e acabarei, também, perdendo-me para sempre.

        Dizendo-o, bateu a porta com toda a força dos seus movimentos instintivos, encaminhando-se ao gabinete, enquanto a esposa, de coração genuflexo, dirigia o pensamento para aquele Jesus carinhoso e terno, que viera ao mundo para salvar todos os pecadores. Lágrimas dolorosas fluíam-lhe dos olhos, fixos ainda na paisagem do lago de Genesaré, aonde parecia haver regressado em espírito, novamente. Lá estava o Mestre, em atitudes doces de prece, cravando nas estrelas do céu os olhos fulgurantes.

        Figurou-se-lhe que Jesus também lhe notara a presença naquela hora sombria da noite, porque desviara o olhar fúlgido do firmamento constelado e estendia-lhe os braços compassivos e misericordiosos, exclamando com infinita doçura:

        - Filha, deixa que chorem os teus olhos as imperfeições da alma que o Nosso Pai destinou para gêmea da tua!... Não esperes deste mundo mais que lágrimas e padecimentos, porque é na dor que os corações se dulcificam para o céu... Um momento chegará em que te sentirás no cume das aflições, mas não duvides da minha misericórdia, porque no momento oportuno, quando todos te desprezarem, eu te chamarei ao meu reino de divinas esperanças, onde poderás aguardar teu esposo, no curso incessante dos séculos!...

        ... Todavia, a esposa do senador compreendeu que não fôra vítima de uma perturbação alucinatória, e guardou, com amor, no âmago do coração, as doces palavras do Messias."

A seguir: Composição do senador Públio Lentulus Cornelius, na sua mocidade em Roma, para sua esposa Lívia:

.

"Alma gêmea da minhalma,

Flor de luz da minha vida,

Sublime estrela caída

Das belezas da amplidão!...

Quando eu errava no mundo

Triste e só, no meu caminho,

Chegaste, devagarinho,

E encheste-me o coração.

Vinhas na bênção dos deuses,

Na divina claridade,

Tecer-me a felicidade,

Em sorrisos de esplendor!...

És meu tesouro infinito,

Juro-te eterna aliança,

Porque eu sou tua esperança,

Como és todo o meu amor!"

.

Extraído do livro "Há 2000 anos" ...  EPISÓDIOS DA HISTÓRIA DO CRISTIANISMO NO SÉCULO I 

Romance de EMMANUEL,  psicografado por FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER -  29ª edição  -  página 71

As almas, quando associadas entre si, vivem ligadas uma às outras pela imanação magnética, superando obstáculos e distâncias.

[28a - páginas 154; 193]  - André Luiz - 1954 

        Todos nos destinamos ao Amor Eterno e no entanto, para alcançar o objetivo supremo, cada qual de nós possui um caminho próprio. Para a maioria das criaturas, o encontro do amor ideal assemelha-se, de algum modo, à procura do ouro nas minas ou de diamante nas catas. É indispensável peneirar o cascalho ou mergulhar as mãos no barro do mundo, a fim de encontrá-lo.  Sempre que amamos profundamente a alguém, transformamos esse alguém no espelho de nossos próprios sonhos... Passamos a ver-nos na pessoa que se nos transforma em objeto da afeição. 

  • Se essa criatura efetivamente nos reflete a alma, o carinho mútuo cresce cada vez mais, assegurando-nos o clima de encorajamento e alegria para a viagem nem sempre fácil da evolução. Nessa hipótese, teremos obtido apoio seguro para a subida do acrisolamento moral... 

  • Em caso contrário, a pessoa a que particularmente nos devotamos acaba devolvendo-nos os próprios reflexos, à maneira de um banco que nos restituisse ou estragasse os investimentos por desistência ou incapacidade de zelar por nossos interesses. Então, surgem para nós aquelas posições espirituais que nomeamos por mágoa, desencanto, indiferença, desilusão...

        Caminhamos na existência pelas vias da afinidade, de afeição em afeição, até achar aquela afeição inesquecível que se nos levante na vida por chama de amor eterno. Mas entendendo-se o conceito de afeição, sem a estreiteza do sexo, de vez que a ligação esponsalícia, embora sublime, é apenas uma das manifestações do amor em si. Determinado homem ou determinada mulher podem confirmar na esposa ou no esposo a presença do seu tipo ideal; entretanto, talvez prossigam, após o casamento, mais intimamente vinculados ao coração materno ou ao espírito paternal... E, às vezes, somente encontrarão o laço de eleição num dos filhos. Em amor, a afinidade é o que conta...

        A reencarnação é também recapitulação. Muitos casais no mundo se constituem de espíritos que se reencontram para a consecução de afazeres determinados. A princípio, os sentimentos se lhes justapõem, no setor da afinidade, como as crenas de duas rodas que se completam para fazer funcionar o engenho do matrimônio. .. Depois, percebem que é imperioso burilar outras peças dessa máquina viva, a fim de que ela produza as bênçãos esperadas. Isso exige compreensão, respeito mútuo, trabalho constante, espírito de sacrifício. Se uma das partes ou ambas as partes se confiam a desentendimento, a obra encetada ou reencetada vem a cair...

        Aquele dos cônjuges que lesou o ajuste, ou ambos, conforme as raízes da desunião, devem esperar pela obtenção de novas oportunidades no tempo para a reconstrução do amor que dilapidaram.

        A união conjugal de duas criaturas que se amam, quando interrompida pela morte no mundo, pode ser reatada no Plano Espiritual, se os cônjuges realmente se amam...

        Aquele que ama sinceramente continua trabalhando, neste lado da vida, pelo outro que não lhe guarda na Terra a mesma altura de sentimento, aprimorando a obra do amor em outros aspectos, que não o da afetividade esponsalícia...

        ... O amor conjugal, quando se exprime em bases do amor puro, continua vibrando no mesmo diapasão entre dois mundos, sem que a permuta de energias de um cônjuge para outro venha a sofrer solução de continuidade

[73 - página 138; 141] - André Luiz

        Para os laços_do_casamento se perpetuarem depende inteiramente da semelhança dos gostos e da igualdade do desenvolvimento. No caso em que essa conformidade exista, os Espíritos podem progredir lado a lado. Em nosso estado sabemos somente que a comunidade de gostos e de associações permite àqueles que estão no mesmo nível desenvolverem-se por um auxílio mútuo.
        Para nós, tudo está subordinado à educação do Espírito, que se deve desenvolver sem cessar. Só entre almas congêneres pode haver comunidade de interesse; por conseqüência, nenhum laço pode ser perpetuado se não há ocasião de progresso.

  • Os laços antipáticos, que envenenaram a vida terrestre da alma e embaraçaram a sua ascensão progressiva, cessam com a existência corpórea.
  • A união das almas, para as quais a encarnação material foi uma fonte de apoio, de assistência, é dilatada depois da libertação do espírito.

        Os laços afetuosos que unem as almas são a maior excitação ao desenvolvimento mútuo. As relações são, pois, perpetuadas, não porque tenham uma vez existido, mas porque, na eterna adaptação das coisas, servem à educação do espírito. Em tais casos, o laço do casamento torna-se uma aliança de sólida amizade, durável e fortificada pelo auxílio e o progresso mútuos.
        Todas as almas que se amparam mutuamente ficam em relações afetuosas até o momento em que lhes é mais útil separarem-se. Quando a ocasião chega, elas se afastam sem constrangimento, pois podem comunicar-se ainda e tomar parte no que interessa a uma e a outra. Uma lei contrária só faria perpetuar males e sustaria a marcha do progresso; mas não é permitido a ninguém fazer isso.
        As almas que, sem estarem exatamente no mesmo nível mental e moral, estiverem repletas de amor mútuo não podem jamais ser realmente separadas. As considerações de tempo e de espaço impedem-vos de compreender o nosso estado. Não podeis adivinhar como os Espíritos possam permanecer a uma grande distância, conforme a vossa noção de espaço, sem cessar de estar, como o diríeis, intimamente unidos. Não conhecemos nem tempo nem espaço. Só podemos viver em união íntima com um Espírito no mesmo nível mental e progressivo. Na verdade qualquer outra união ser-nos-ia impossível. Uma alma pode estar ligada, por afeição, a uma outra, sem a íntima relação que temos em vista, falando do mesmo nível de desenvolvimento. O amor une os Espíritos a qualquer distância. Em vosso baixo estado de existência o vedes. O irmão ama o irmão, apesar dos oceanos que os separam, dos longos anos decorridos sem se verem nem se falarem. Suas ocupações podem ser inteiramente diferentes, é possível que não tenham nenhuma ideia em comum, e entretanto se amam. A mulher ama o bruto degradado que lhe mutila o corpo e esforça-se para esmagar-lhe o espírito. A hora da dissolução a libertará do jugo e da dor; ela se elevará, ele cairá; mas o laço do amor não será ainda quebrado, posto que os seus Espíritos não possam mais viver em comum. Mesmo aqui, o espaço é nulo, inexistente para nós.
        Assim podeis vagamente compreender o que entendemos por união, identidade de desenvolvimento, comunidade de interesses, progressão mútua e afetuosa. Não conhecemos os laços indissolúveis de que se ocupa esse mundo.

.

[108 - página 74 / 75] - Médium: William Stainton Moses - (1839 - 1892)

Alma Gêmea (Soul mate) - Elizabete Lacerda

.

Ver também:

 

Crianças e Adolescentes

DESAPARECIDOS